skip to Main Content
Tomar Decisões Como Um Casal: Qual é O Melhor Caminho A Seguir?

Tomar decisões como um casal: qual é o melhor caminho a seguir?

Tomar decisões em casal é um ato de equilíbrio delicado. Neste artigo, mostramos como fazer da melhor maneira possível.

Todos os casais têm que tomar decisões às vezes. Alguns podem ser decisões importantes e outros menos. Seja qual for o caso, o casal tem que negociar e discutir. Então, quais são as melhores maneiras de tomar decisões em casal?

Mesmo se você se dá bem com seu parceiro, é normal que você não concorde com tudo. Sempre haverá diferenças de opiniões quando se trata de tomar uma decisão. Além disso, tomar decisões em casal é mais do que apenas defender uma posição a favor ou contra “alguma coisa. É um teste da força e harmonia da sua união.

Terapia de Casal Online

Na terapia de casal e de família online busca-se identificar onde as interações estão problemáticas e procurar modos de melhorar o relacionamento.

A terapeuta Dolores Bordignon atende em Porto Alegre e pela internet, especialmente pelo Skype e Whatsapp. Tem grande experiência mais de 25 anos de experiência com famílias e casais.


Fatores que desempenham um papel na tomada de decisões em casal

Neste artigo, tentaremos identificar os diferentes fatores que podem influenciar a tomada de decisão nos casais. Também examinaremos os problemas que podem surgir quando você tiver que escolher um caminho específico, correr um risco, fazer uma grande mudança ou deixar passar uma oportunidade. Vamos nos concentrar nas áreas mais importantes e comuns onde pode haver conflitos e onde é difícil tomar decisões:

  • Tempos ruins. Se você está passando por um momento ruim no seu relacionamento, ou se está junto há algum tempo e não sente o mesmo por seu parceiro, pode estar dividido entre ficar juntos ou se separar .
  • Dando o passo para começar a viver juntos.
  • Passar um tempo com a família um do outro. Por exemplo, um fim de semana na casa do sogro.
  • Casar.
  • Tendo filhos.
  • Como você vai criar seus filhos.
  • Mudar de emprego e ter um relacionamento de longa distância ou ter que se mudar.
  • A quantidade de tempo que cada parceiro tem para si.

O que influencia a tomada de decisão de um casal? Auto confiança

Sua auto-imagem e sua opinião são tão válidas quanto as de seu parceiro. Isso influencia todo o processo de tomada de decisão nos casais. Se você é uma pessoa confiante, terá o que é preciso para defender o que acredita e influenciar a decisão final.

Em outras palavras, uma pessoa autoconfiante tem um papel ativo nas decisões. No entanto, uma pessoa um tanto insegura tenderá a ceder ao que a outra pessoa diz e decide.

Da mesma forma, a autoconfiança ajuda você a não ficar quieto por medo de rejeição. Ver além dos seus medos quando você tem que lidar com questões delicadas do seu relacionamento é a chave para se expressar nas decisões que são tomadas. Pessoas inseguras tendem a dizer ou fazer o que os outros querem, a fim de evitar conflitos.

O lugar do seu parceiro no seu projeto de vida compartilhado

Outro aspecto importante quando você precisa tomar uma decisão em casal é o lugar que a outra pessoa tem em seu futuro ideal ou em seu projeto de vida. Ao olhar para as coisas dessa maneira, o processo de tomada de decisões em casal se baseia mais no futuro do que no presente.

O que isto significa? Isso significa que o potencial que você vê em seu parceiro para acompanhá-lo em um novo caminho desempenha um papel muito importante. Esse potencial pode estar relacionado a filhos, casamento ou morar juntos. Assim, a tomada de decisão em seu relacionamento se baseará mais na antecipação futura do que na realidade que você está vivendo atualmente com seu parceiro.

Com sua teoria do amor, Robert Sternberg explicou como são necessários três componentes para que haja amor maduro. Um desses componentes é o comprometimento . No entanto, ele não está se referindo ao compromisso com questões legais, fidelidade ou com o seu dia-a-dia. Em vez disso, ele está falando sobre se comprometer com o futuro do seu relacionamento.

Portanto, para que a tomada de decisões seja um processo bem-sucedido, é preciso haver um compromisso de trabalhar juntos como uma equipe para atingir seus objetivos comuns.

Suas habilidades de comunicação e se seu parceiro pode entendê-lo

Boas habilidades de comunicação são essenciais para poder compartilhar medos, dúvidas, esperanças e desejos. Verbalizar coisas que vêm à mente e que podem contribuir com algo para o processo reflexivo antes da decisão é construtivo.

Você não precisa dizer tudo o que pensa, mas precisa pensar e sentir tudo o que diz. Caso contrário, tudo o que você terá será uma comunicação ambivalente e pouco clara, com muito espaço para interpretação. Isso pode ser muito perigoso para um relacionamento.

Além disso, seu parceiro deve ser capaz de entender o que você está tentando transmitir e o que exatamente você quer dizer. Eles precisam entender por que o que você está dizendo é importante para você. Nesse sentido, a comunicação não verbal também desempenha um papel importante.

É impossível não se comunicar, e é por isso que você precisa se certificar de que está comunicando as coisas certas! O que você diz deve ser coerente com tudo o que você está expressando. Qualquer incongruência pode criar mal-entendidos que farão com que ambos se sintam desconfortáveis. Por exemplo, dizer que você está feliz em planejar um casamento, embora, no fundo, acredite que a maioria dos casamentos termina em fracasso.

Um processo compartilhado

Finalmente, quero enfatizar que a tomada de decisão em casais deve ser um processo compartilhado. De fato, quanto mais você pratica isso, maior a probabilidade de ter um relacionamento mais longo e mais satisfatório. Um estudo da Universidade de Ohio realizado por Kamp Dush e Taylor (2011) confirmou isso.

Como nota de rodapé, também queremos salientar que ambos os parceiros devem limitar as influências externas que podem influenciar suas tomadas de decisão em casal. Sua prioridade como casal é saber o que vocês dois sentem. A necessidade de agradar aos outros deve ser relegada para o segundo lugar.