Perdão: O que é (realmente) e como posso perdoar?

Perdão, é um conceito de peso que pode carregar muitas conotações diferentes. Se fôssemos cientistas em um laboratório tentando definir essa ideia complexa e nebulosa, nunca chegaríamos realmente ao fim de nosso estudo. É por essa imprecisão que pode ser tão difícil considerar o ato real de perdoar. 

As pessoas têm reações subjetivas à ideia de perdão, às vezes resistentes, às vezes neutras, às vezes abraçando. Muitas pessoas já se sentiram pressionadas a “perdoar e esquecer” depois de serem injustiçadas. Essa aplicação de perdão pode ser invalidante e até prejudicial quando não estamos em condições de fazê-lo. 

Por outro lado, ouvimos histórias de figuras do tipo Madre Teresa que foram terrivelmente violadas, que mais tarde são milagrosamente capazes de liberar a raiva e oferecer perdão aos seus agressores. Então, o que é perdão, como podemos nos beneficiar dele e, se decidirmos perdoar, que medidas devemos tomar para chegar lá?

O que é não perdoar

Mas primeiro, o que não é o perdão ?

É importante estabelecer que perdão não é o mesmo que esquecer. O perdão também não livra a outra pessoa de sua responsabilidade, nem a absolve de sua responsabilidade em magoá-lo. O perdão não significa que a outra pessoa pode repetir seu comportamento prejudicial. O perdão não significa que sua dor não seja real ou que você seja parcialmente culpado pela dor que sentiu. Também não significa que sua dor acabou. 

Quando estamos em um estado de falta de perdão, temos uma narrativa negativa cada vez maior sobre a outra pessoa em nossas mentes. Muitas vezes ruminamos sobre a lesão e dizemos a nós mesmos: “Essa pessoa nunca vai mudar”. Essa narrativa pode se tornar como uma fortaleza na qual nos escondemos, para nos distanciarmos da outra pessoa para não nos machucarmos novamente. Torna-se mais difícil confiar e mais difícil ver o lado bom da outra pessoa quando estamos presos nessa narrativa negativa. Nós nos encontramos esperando que a outra pessoa se desculpe e mude seu comportamento antes de pensarmos em baixar nossas defesas. 

Todo esse diálogo interno é acompanhado por sentimentos de raiva, tristeza e ansiedade. O sofrimento emocional agitado pode fazer com que evitemos interações com a outra pessoa, o que apenas reforça nossas narrativas e expectativas negativas. Assim, ficamos presos em um ciclo de feedback negativo. Sair desse ciclo exige motivação, humildade e muita coragem. 

O que é perdão

Ok então, o que é perdão? 

Em vez de um único evento, o perdão costuma ser um processo de liberação gradual de uma narrativa negativa sobre outra pessoa. Isso acontece quando estamos dispostos a considerar perspectivas alternativas em relação ao seu caráter e / ou comportamento. Também acontece quando estamos dispostos a nos envolver com a outra pessoa de uma maneira nova, curiosa e voltada para o momento presente.

Quando nos envolvemos dessa forma, somos capazes de coletar novas evidências que podem ajudar a remodelar nossa narrativa interna sobre o personagem deles. O perdão envolve honrar nossa própria dor, manter limites interpessoais apropriados e permitir-nos ver o lado bom da pessoa que nos magoou.

3 passos para praticar o perdão

Passo 2: O segundo passo é estar aberto para se envolver com a outra pessoa de uma forma curiosa, enquanto mantém os limites apropriados. Isso significa tentar ver a outra pessoa com outros olhos, com uma abertura para vivenciá-la de uma maneira nova e diferente. Isso não significa necessariamente que você retome uma conversa ou interação com a pessoa que o machucou. Pode ser tão simples quanto tentar imaginar a dor e as motivações por que fizeram o que fizeram e parar de puni-los por essas ações. Uma meditação sem bondade pode ajudar a praticar uma nova narrativa e a liberar a raiva e a mágoa.

Precisa de mais ajuda?

Perdoar quando estamos profundamente magoados é realmente um ato de coragem. É preciso humildade, paciência e grande amor próprio. Às vezes, receberemos gratidão daqueles a quem perdoamos; e às vezes todo o nosso trabalho passa despercebido, por trás da cortina. Cabe a nós decidir o que queremos e fazer o trabalho para sustentar a nós mesmos e aos nossos relacionamentos. 

Terapia de Casal Online

Na terapia de casal e de família online busca-se identificar onde as interações estão problemáticas e procurar modos de melhorar o relacionamento.

A terapeuta Dolores Bordignon atende em Porto Alegre e pela internet, especialmente pelo Skype e Whatsapp. Tem grande experiência mais de 25 anos de experiência com famílias e casais.