skip to Main Content
Pedir Desculpas Aos Filhos? Entenda Esta Poderosa Comunicação E Saiba Como Fazê-lo De Acordo Com A Idade

Pedir desculpas aos filhos? Entenda esta poderosa comunicação e saiba como fazê-lo de acordo com a idade

Ensinamos os nossos filhos a pedir desculpas desde muito cedo. É necessário criar uma estrutura que lhes permita crescer conhecendo as regras e tomando consciência das consequências das suas ações em si mesmos e nos outros. Pedir desculpa é importante.

E por sê-lo, os pais também devem ter esse cuidado. Isto porque ser pai e mãe é um papel de grande exigência e responsabilidade… E, por mais que amemos os nossos filhos, também erramos. Também dizemos e fazemos coisas que magoam. Faz parte das relações humanas, não somos máquinas. Muitas vezes, tivemos até que aprender e gerir tudo por nós mesmos.

Mas, os pais podem resistir a pedir desculpas aos seus filhos. Muitas vezes, eles têm receio de perder a “autoridade”, o “estatuto de pai/mãe” ou que os seus filhos deixarão de “respeitá-los”. “Os pais nunca se enganam” é uma afirmação tão absurda como falsa e que foi o pilar da educação tradicional durante anos.

Leve em consideração qual é a linguagem do amor do seu filho, compreendendo o que é mais importante para ele e como ele expressa suya afetividade com a família inicialmente.

Os pais não pediam perdão aos seus filhos, não choravam diante deles e não deixavam ver suas debilidades. É um modelo educativo que assume que o pai é perfeito e o filho há de seguir o seu exemplo. Cobrança, pressão e até opressão surgem deste modelo.

Terapia de Família em Porto Alegre

O principal objetivo da Terapia Familiar é apoiar na resolução de conflitos familiares, harmonizando o relacionamento e o clima familiar. A terapeuta Dolores Bordignon atende em Porto Alegre. Entre em contato.

Não deveria ser um exemplo para os filhos que os pais pedissem perdão?

Os pais são sim modelos para os filhos. São as suas referências emocionais e que é com eles que aprendem. Não podemos exigir-lhes que peçam perdão aos seus irmãos quando brigam ou que se desculpem diante de algo feio que disseram, quando não damos o exemplo e não nos mostramos humildes diante deles.

Temos que desmistificar a ideia tradicional, que pedir perdão nos mostra débeis diante dos filhos ou nos enfraquece. Na realidade, produz o efeito contrário e se traduz num grande ensinamento aos filhos: eles aprenderão que o ser humano comete erros, mas, sobretudo aprenderão a assumir os erros e a aprender com eles.

Para que eles possam seguir nosso exemplo e pedir perdão se cometerem um erro, os filhos devem ver que nós também somos capazes de fazer o mesmo. Por acaso é contraproducente pedir-lhes desculpas se em um momento ruim lhes tenhamos dito algo inapropriado? Pelo contrário, eles aprenderão duas coisas fundamentais:

– Que devem refletir e pedir perdão quando cometer um erro.
– Que devem reconhecer erros, aprender com eles e tentar não repeti-los.

Um pedido de desculpas de um pai ou mãe, quando necessário e no momento em que tudo aconteceu, vai ajudar o filho a aprender que todos falhamos e que errar é humano. Um pedido de desculpas dos pais permite à criança sentir-se valorizada, vai promover a sua empatia pelos outros e impedir o sofrimento tremendo que uma ação ou palavra injusta podem ter na sua autoestima e na sua percepção do mundo.

Além disso, vai gerar proximidade entre todos os membros da família e ajudará os pais a retirarem alguma pressão em excesso que ponham sobre si mesmos e sobre os filhos. É que a perfeição não existe mesmo.

Claro, o pedido de desculpas pode e deve variar de acordo com a idade de seu pequeno. Veja como fazê-lo conforme a idade do seu filho e não fique se culpando por suas atitudes! Por fim lembre-se que, independente da idade e da situação, é importante que você deixe bem claro o quanto ama seu filho. “Eu te amo” nunca é demais.

Com os menores

Até aproximadamente 3 anos de idade, a criança não entende bem o sentido das palavras. Então, não adianta se explicar longamente para ela. Xingamentos e gritos, e não apenas a agressão física, são formas de violência também percebidas pelos pequenos. Primeiramente, acalme-se, respire e tenha certeza de que recuperou o controle.

Depois, aproxime-se do seu filho e olhe-o com afeto, restabelecendo o vínculo forte que vocês têm. Abrace a criança para que ela sinta o seu calor e o seu carinho. Deixe claro que tudo voltou ao normal e que a mamãe que ele tanto ama continua ali para protegê-lo.

Com os maiorzinhos

A criança já entende o que é dito e o adulto deve pedir desculpas com palavras. É preciso explicar que você exagerou, mas que o que ela fez também não estava certo. Por exemplo, se seu filho se recusou a fazer a lição de casa e você o chamou de vagabundo, diga que foi errado usar essa palavra e que você sabe que ele não é isso.

Assuma o nervosismo e complete com: “Fico preocupada porque quero que você tire notas boas e seja feliz”. Fique atenta para não agir da mesma forma exagerada se a criança voltar a cometer o erro. “Filhos testam limites. Pedir desculpas o tempo todo perde o sentido”.

Com os adolescentes

Não há dúvida que lidar com adolescente pode ser um desafio enorme. O filho contesta tudo o que a mãe diz e bate o pé até acabar com a paciência. Nessas horas, não é raro falar coisas que não deveria. Não se culpe se exagerou na dose. Chame seu filho para uma conversa, peça desculpas e abra o coração.

“Explique que, como mãe, precisa protegê-lo dos riscos, mas escute o lado dele, pois o adolescente fecha os ouvidos quando não pode falar também”. Lembre-se de que o jovem já pode ter conversas mais profundas com os pais. É um direito dele falar sobre seus motivos de igual para igual. Esteja aberta para refletir junto e até mudar de opinião. Por que não?

CUIDADO: sem o jogo da coitadinha

Depois de uma briga, ficamos desgastados. Mas não se faça de vítima! Nada de dizer frases do tipo: “Você não tem dó de mim, vou acabar morrendo por causa da sua teimosia!”. Chantagem emocional só atrapalha. “A mãe não morre e o filho acha que pode aprontar de novo”.