Guia para Terapia de relacionamento: o que você precisa saber para começar

Palavras tão poderosas que evocam significado e emoção, esperanças e sonhos, memórias e sofrimento.

O casamento é uma união culturalmente reconhecida que envolve uma parceria legal, econômica, emocional e física. Mas, como todos os relacionamentos íntimos, pode ser, bem … complicado.

O casamento e outros relacionamentos monogâmicos comprometidos envolvem humanos imperfeitos e imperfeitos tentando navegar juntos por um mundo complexo e imperfeito. E embora criar um relacionamento forte envolva dor, luta e sofrimento, a alegria, a conexão, a camaradagem, o apoio e o amor valem os esforços.

Um grande casamento não é algo que simplesmente acontece, é algo que deve ser criado.

Fawn Weaver (2014)

Com todo o amor e lágrimas envolvidos na criação de um relacionamento forte e duradouro em mente, examinamos a terapia de aconselhamento matrimonial para entender o que ela envolve, as diferentes abordagens e os benefícios da terapia.

Aconselhamento matrimonial explicado

Acredita-se que a palavra casamento tenha se originado por volta de 1250–1300 dC do inglês médio, descrevendo uma maneira de unir famílias. Durante séculos, os casamentos arranjados foram planejados por razões econômicas, e não por amor (Uglow, 2017).

No início, o casamento era uma abordagem prática para procriação, segurança e apoio. Nos tempos de hoje, o conceito de casamento envolve aspectos práticos, econômicos, sociais, psicológicos e emocionais.

À medida que a expectativa do que um casamento é e deveria ser aumentou, a decepção, a discordância e a luta para atender a todas as expectativas também aumentaram. O aconselhamento matrimonial é uma ótima solução para moderar a diferença entre as expectativas e a realidade em um relacionamento.

O aconselhamento matrimonial também é chamado de “aconselhamento de casais” e foi elaborado para ajudar a resolver conflitos e melhorar os relacionamentos (Mayo Clinic, 2020). Pode ser eficaz para todos os tipos de relacionamentos íntimos, independentemente da orientação sexual ou estado civil.

Trabalhando com um terapeuta, os casais aprendem habilidades como desenvolver uma comunicação aberta , resolução eficaz de problemas e como discutir as diferenças de forma racional. Os casais são aconselhados a falar sobre as partes boas e ruins do relacionamento, identificar problemas e considerar como as coisas podem melhorar.

A maioria dos terapeutas afirma ter uma abordagem “eclética” para o aconselhamento de casais, mas existem abordagens específicas, apoiadas por pesquisas, que demonstram eficácia (Holt-Lundstad, Birmingham, & Jones, 2008).

Terapia de Casal Online

Na terapia de casal e de família online busca-se identificar onde as interações estão problemáticas e procurar modos de melhorar o relacionamento.

A terapeuta Dolores Bordignon atende em Porto Alegre e pela internet, especialmente pelo Skype e Whatsapp. Tem grande experiência mais de 25 anos de experiência com famílias e casais.


Terapia Comportamental de Casal

A terapia comportamental de casal enfatiza a mudança de comportamento, ajudando os clientes a compreender como os comportamentos afetam as pessoas ao seu redor.

Esta terapia inclui a Terapia Comportamental Integrativa de Casal, que se concentra na aceitação emocional e na mudança de comportamento. Ajuda os casais a identificar padrões de comportamento perturbados que são prejudiciais ao relacionamento. Uma vez identificados, os casais podem encontrar novas maneiras de interagir que sejam positivas para seu relacionamento.

A abordagem Gottman

A abordagem de Gottman ajuda os casais a formarem relacionamentos mais fortes usando um modelo chamado Sound Relationship House. Este modelo é apoiado por mais de 40 anos de pesquisas conduzidas pelo Instituto Gottman . O foco está em se tornarem casais emocionalmente inteligentes, sintonizando-se com as necessidades um do outro e construindo uma amizade de confiança e compromisso (Gottman, 2020).

Aconselhamento de discernimento

Esta nova abordagem de aconselhamento atende às necessidades dos casais quando um membro está considerando o divórcio (Nakonezny & Denton, 2008). O cônjuge que deseja o divórcio pratica “inclinar-se para fora”, enquanto aquele que deseja trabalhar no relacionamento “inclina-se”.

O objetivo imediato é esclarecer o que cada cônjuge está pensando, em vez de resolver os problemas conjugais. É um aconselhamento breve que ajuda a determinar se vale a pena um aconselhamento mais intensivo.

Como funciona?

Terapia focada na emoção

É uma abordagem sistemática para mudar os padrões de interação entre casais angustiados (Robles, Slatcher, Trombello, & McGinn, 2014).

EFT ajuda os casais a mudar suas respostas individuais para fortalecer o vínculo emocional e estabelecer ligações seguras. Esse tipo de terapia não é recomendado para casais em relacionamentos abusivos ou em processo de separação, uma vez que um dos principais objetivos é desenvolver um vínculo e um apego seguro.

Em qualquer estilo de aconselhamento de casais, a primeira sessão costuma ser dedicada ao aprendizado de cada pessoa individualmente e ao relacionamento em geral. Muitas vezes é referido como um processo de crescimento conjunto.

A eficácia do aconselhamento matrimonial depende diretamente dos níveis de motivação de cada parceiro. Gottman (2020) estima que a maioria dos casais leva seis anos antes de procurar terapia para restaurar um relacionamento.

Como a terapia individual, é essencial desenvolver metas e um cronograma ou plano de tratamento (Gaspard, 2020). Os objetivos podem variar de terminar o relacionamento com uma boa nota até melhorar a comunicação e a intimidade. As metas podem mudar no decorrer do tratamento, mas geralmente giram em torno do desenvolvimento ou reaprendizagem de habilidades críticas como paciência, perdão, confiança, abnegação e controle do estresse.

Geralmente, a terapia de relacionamento também inclui dever de casa fora das sessões de aconselhamento. Os casais devem praticar o que é discutido na sessão e trabalhar nas questões da vida real. As tarefas de casa típicas podem incluir ir a um encontro sem tecnologia, praticar toque físico sem sexo, ler livros relevantes e discuti-los, praticar a escuta ativa, criar uma “palavra segura” para argumentos, etc.

Isso pode ajudar? Quatro benefícios do aconselhamento matrimonial

De acordo com a American Psychological Association (2020), o aconselhamento de casais usando EFT é cerca de 75% eficaz. A maioria das pesquisas sobre a eficácia do aconselhamento usa uma medida de autorrelato chamada Escala de Ajuste Diádico, que fornece uma comparação justa das taxas de sucesso.

O resultado positivo primário é a redução da angústia no relacionamento ou das reclamações entre os parceiros.

1. Melhore a comunicação

O aconselhamento matrimonial pode ajudar os casais a aprenderem a se comunicar de maneira mais eficaz, seja pelo simples ato de ouvir atentamente ou aprender a falar sem ofender o parceiro.

Habilidades básicas de comunicação, como usar palavras de “sentimento” e aprender a distinguir pensamentos de sentimentos, são muito eficazes.

2. Resolva o conflito

Uma melhor comunicação ajudará os casais a resolverem os conflitos de maneira mais eficaz. Quando os casais podem aprender a ouvir antes de responder e aprender a ouvir o que a outra pessoa está dizendo, o conflito real pode ser identificado e resolvido.

3. Processar questões não resolvidas

Um terapeuta oferece um espaço seguro para expressar questões que surgem em qualquer relacionamento. Cada pessoa traz sua própria bagagem para a parceria, e pode ser difícil desfazê-la sem um terceiro objetivo que seja treinado para identificá-la e tratá-la de forma justa (Leeuw, 2015).

O aconselhamento de casais pode ajudar no relacionamento, mas também pode abrir a porta para resolver problemas individuais.

4. Desenvolva uma intimidade e confiança mais profundas

A intimidade pode ser definida como a sensação de proximidade ou conexão. Isso pode ser físico ou emocional. Não importa em que estado esteja um relacionamento atual, a intimidade e a confiança sempre podem ser aprofundadas.

Toque, incentivo, discussão de sentimentos, perdão e experiências compartilhadas podem ajudar a desenvolver intimidade e construir confiança (Leeuw, 2015).

9 problemas comuns de casamento que podem surgir

A quantidade de sexo que os casais têm não é tão significativa quanto a crença compartilhada do casal sobre sexo e intimidade (Gaspard, 2020).

A perda da libido de qualquer um dos parceiros pode freqüentemente causar conflito no relacionamento. Os casais devem concordar com a frequência do sexo e preferências sexuais específicas para ter compatibilidade íntima.

2. Estágios da vida

Personalidades e interesses pessoais podem mudar com o tempo. Os casais podem se distanciar ou se aproximar compartilhando interesses e mantendo as linhas de comunicação abertas conforme os interesses e as atitudes mudam.

3. Questões financeiras

Uma das razões mais comuns para o divórcio é a tensão financeira (Gaspard, 2020). Os casais precisam estar na mesma página com as finanças, não importa quanto dinheiro está envolvido ou quem é o “ganha-pão”.

É essencial estabelecer metas financeiras comuns e um orçamento realista que ambas as partes possam respeitar.

4. Situações traumáticas

A perda de um filho é um dos indicadores mais significativos de divórcio (Gaspard, 2020). Outras situações traumáticas incluem problemas de saúde ou lesões graves; a perda de um pai, amigo ou outro parente; ou uma grande mudança de vida. Navegar por esses eventos horríveis com um terapeuta pode não apenas salvar um casamento, mas ajudar o casal a se aproximar dele.

5. Estresse

O estresse faz parte da vida. A maneira como os casais lidam com o estresse e permanecem conectados em momentos de estresse é um componente crucial de um relacionamento bem-sucedido.

De filhos a finanças, eventos estressantes acontecerão e eles podem fazer ou quebrar o relacionamento.

6. Tédio

O tédio é subestimado e parece um problema menor. No entanto, quando um ou ambos os parceiros ficam entediados, outros aspectos do relacionamento se desfazem. Isso inclui coisas como respeito, confiança, entusiasmo pelo futuro, uma visão de vida juntos e uma conexão íntima.

7. Ciúme

É normal que algum ciúme esteja presente em relacionamentos amorosos. Mas quando um ou ambos os parceiros ficam com ciúmes excessivos, isso cria problemas de tensão e co-dependência, e se transforma em medo, desconfiança e necessidade de controle.

8. Infidelidade

A infidelidade é um dos problemas mais comuns do casamento. Pode incluir qualquer coisa, desde casos de uma noite a assuntos físicos ou emocionais de longo prazo. Geralmente é um sintoma de um problema maior, como tédio, sentimento de não ser desejado ou falta de respeito e valores compartilhados.

9. Expectativas irrealistas

Nenhum ser humano é perfeito, e muitas vezes temos uma visão de conto de fadas de como será um relacionamento. Muitas pessoas pressionam demais o cônjuge ou outra pessoa importante para atender a todas as suas necessidades (físicas, emocionais, psicológicas etc.). Quando o desapontamento se instala, pode haver problemas importantes.

Conhecer bem o seu parceiro e desenvolver expectativas realistas um do outro é uma das coisas mais essenciais que qualquer casal pode fazer.

Preparando sessões para o sucesso: 4 etapas para conselheiros matrimoniais

Infelizmente, muitos conselheiros não estão totalmente preparados para a dinâmica complicada que o aconselhamento de casais frequentemente envolve. O aconselhamento de casais não é o aconselhamento individual duas vezes. A maioria dos casais aborda a terapia de casal em meio a grandes conflitos ou após anos de tensões crescentes (Meyerson, 2008).

Passo um

Reúna as informações apropriadas. Embora as tensões possam ser altas e o casal possa querer mergulhar naquilo que vêem como problemas críticos (ou começar a culpar a outra pessoa por estar em terapia), obter informações básicas é essencial.

Isso inclui o número de anos que o casal está junto, as situações atuais de vida, questões de saúde, aconselhamento anterior, emprego, hobbies e interesses, e como eles se relacionam.

Passo dois

Estabeleça metas e deixe claro que o terapeuta não é um árbitro. Esclareça que uma pessoa não está “certa” ou “errada”, que existem várias perspectivas e que o casal está lá para aprender novos métodos de comunicação. O terapeuta deve promover o conceito de “nós” versus “eu”.

Passo três

Pense na maneira mais eficaz de posicionar o casal no escritório. Os terapeutas podem fazer com que os casais se encarem e pratiquem diferentes tipos de linguagem corporal e contato visual.

Essas mensagens sutis enviadas de uma pessoa para outra podem desempenhar um grande papel no quanto o casal se beneficia com cada sessão. Fazer com que os casais “espelhem” as mensagens um do outro é outra forma eficaz de estabelecer a comunicação durante a sessão.

Etapa quatro

Resuma a sessão e prepare-se para o futuro. Peça a cada pessoa do casal que compartilhe seus pensamentos sobre o que aconteceu durante a sessão e sugira algo que possa fazer pessoalmente antes da próxima consulta para melhorar o relacionamento.

Reforce o conceito de que os casais devem evitar conversar com amigos ou familiares sobre seus conflitos (Meyerson, 2008).

Lidando com Assuntos em Sessões de Aconselhamento

Manipulação de Assuntos

Mas a infidelidade física não é o único tipo de trapaça que pode destruir um relacionamento. Assuntos emocionais podem causar mais danos do que assuntos físicos.

Outros tipos de infidelidade incluem:

  • Caso de objeto
    Buscar um objeto ou interesse externo até o ponto de quase obsessão e negligenciar o relacionamento.
  • Caso sexual
    Quando um parceiro faz sexo fora do relacionamento.
  • Caso cibernético
    Quando ocorre uma quebra de confiança por meio de sexts e bate-papos, geralmente fica online e nunca chega a um ponto de intimidade sexual. A pornografia pode ser percebida como uma forma disso.
  • Caso emocional
    Quando um parceiro se torna emocionalmente conectado com outra pessoa, o parceiro começa a discutir problemas de relacionamento com uma pessoa fora do relacionamento. Eles também podem deixar de fazer isso com seu parceiro.

Deficiências na intimidade física ou emocional dentro de um relacionamento reduzem a satisfação, o que torna mais provável qualquer tipo de infidelidade (Treas & Giesen, 2000). Para lidar com a infidelidade no aconselhamento matrimonial, encontrar a raiz do problema é um bom primeiro passo.

Os assuntos podem ser baseados na falta de satisfação ou podem estar enraizados na infelicidade pessoal. As razões para a infidelidade incluem baixa auto-estima, desejo de terminar o relacionamento, desejo de mais intimidade física ou emocional, vício em sexo, depressão ou evitar problemas pessoais ou de relacionamento.

À medida que o casal desvenda as razões por trás do caso e restabelece as metas para o futuro, a cura pode começar. O conselheiro pode ajudar a restabelecer a confiança, reacender a intimidade e a conexão e prevenir futuras infidelidades.

Uma nota sobre parceiros narcisistas

O transtorno de personalidade narcisista (NPD) é uma condição de saúde mental legítima que deve ser diagnosticada por um profissional de saúde mental. Apenas cerca de 3-5% da população realmente tem NPD, mas o narcisismo é um traço ou característica que muitas pessoas têm em vários graus e pode impactar negativamente os relacionamentos (Legg, 2019).

Os narcisistas são mais propensos a manipular, tirar vantagem dos outros e exibir um alto nível de auto-estima e importância, mas são excessivamente sensíveis às críticas e muitas vezes deixam de reconhecer ou se importar com as necessidades de seus parceiros.

Se alguém está preso (ou se sente preso) em um relacionamento com um indivíduo narcisista, ele pode ser encorajado a tomar algumas medidas para se proteger (Legg, 2019).

  • Tire os holofotes deles. Os narcisistas vão querer ser o centro das atenções. Lembre-se regularmente de que você é importante e faça uma lista de seus pontos fortes, desejos e metas.
  • Fale por si mesmo. Mas faça isso de uma maneira gentil, específica e consistente com a forma como você espera ser tratado. Diga a eles como as palavras e o comportamento deles afetam você e esteja preparado para o fato de que eles podem não entender ou se importar.
  • Definir limites. Os narcisistas têm um senso de direito e pouco senso de espaço pessoal. Decida o que vale a pena tolerar e o que não é. Aprenda a arte e a habilidade de dizer “não” e lembre-se de que você não é responsável pela felicidade de outra pessoa. Evite assumir a culpa só porque teme o conflito. Se você sabe a verdade, não deixe ninguém tirar isso de você.
  • Exija ação ao invés de promessas. Pessoas com personalidades narcisistas são boas em fazer promessas (mudar, cumprir compromissos, cuidar de responsabilidades, etc.). Peça o que você quer e insista que atenderá às solicitações deles depois que atenderem às suas.