Casamento esfriou? Frieza no relacionamento? Saiba o porque e o que fazer para salvar seu casamento

A história do caminho para a frieza no amor é bem conhecida: começamos cheios de afeto um pelo outro e então, com o tempo, os sentimentos se dissipam.

Começamos a priorizar o trabalho, verificamos nossos telefones enquanto o outro está falando, nós não temos mais a mesma vontade de ouvir como foi o dia do nosso parceiro.

Há uma explicação superficial popular para esta frieza emocional: as pessoas naturalmente se aborrecem umas com as outras da mesma forma como ficam entediadas com tudo.

Esfriar é, nesta história, simplesmente a consequência inevitável da convivência.

Porém, há outra explicação. Ela pode ser mais obscura inicialmente, mas, no final das contas, é mais esperançosa.


Terapia de casal para salvar o casamento – Eu sou terapeuta e trabalho com casais que reconhecem a dificuldade em seus relacionamentos. Entre em contato para marcar uma consulta. Eu trabalho com terapia de casal online e presencial e posso ajudar você para salvar seu casamento.


Porque o casamento esfria

A perda de interesse não é natural, tampouco inevitável. O tédio é algo um pouco mais complicado e mais ativo. Ele existe porque nos sentimos magoados, irritados ou com medo de nosso parceiro e porque não encontramos uma maneira libertadora de contar a nós mesmos ou a eles sobre isso.

O desligamento não é inevitável, isto é um sintoma de aflição emocional rejeitado, é uma maneira de lidar. Estamos internamente anestesiados, não só um pouco entediados. Isso pode soar estranho, afinal de contas, podemos não notar que nosso parceiro tem nos machucado, nos irritado ou até nos assustado.

Esta ideia parece exagerada e faz nossos parceiros soarem como monstros ou nós mesmos como fracos, mas não somos isso. Mas, o “Eu” que ama dentro de um relacionamento não é o “Eu” normal, o “Eu” adulto que conhecemos em outras áreas de nossas vidas.

O “Eu” que ama é um ser infinitamente mais vulnerável. Devemos imaginar este “Eu” como uma versão mais jovem, mais indefesa de nós mesmos. Este “Eu” vive em nossas cabeças e não é mais resistente e não muito mais sábio do que nós éramos quando bebês, que é quando tantas de nossas necessidades e ideias sobre Amor foram formadas.

É este Eu vulnerável que continua a direcionar nossos corações. O Eu amoroso fica ferido, assustado e chateado com facilidade desesperadora. Você poderia machucá-lo profundamente apenas o interrompendo enquanto conta uma história sobre o sanduíche do almoço. Ou, não o perguntando muito sobre o pontinho que apareceu em seu braço ontem, preferindo um livro do que ficar abraçado, ou ser um pouco incompreensível sobre que canal ele deve assistir na TV.

Naturalmente, estes são, por normas adultas comuns, pequenas desfeitas, mas nós não amamos pelos padrões adultos.

Estas pequenas flechas são suficientes para ferir o Eu-que-ama no seu núcleo emocional afetivo.

O ideal, é claro, seria este pequeno Eu apontar o que aconteceu. Seria explicar cuidadosamente que tinha sido frustrado e magoado. Sua voz seria comedida, inofensiva e encantadora, mas, na maioria das vezes, só permanece em silêncio.

Isso é perdoável – ele não compreende corretamente o que está errado, ele só sabe que está com dor e é controlado por um instinto de se retirar e de se proteger, o que se traduz em um comportamento que parece muito frio.

Pode haver algo especialmente humilhante em ter que dizer: “Eu não sinto que você teve interesse suficiente nos detalhes do meu almoço” ou “Eu tenho 45 anos, mas não sou capaz de compartilhar o controle remoto da TV”.

Essas verdades são questões pequenas para um adulto pensar, mas as partes de nós que se tornam vulneráveis ​​no amor não obedecem às regras comuns dos adultos.

A consequência é que o Eu amoroso seca, esfria, não quer ter relações sexuais, torna-se sarcástico e irritável, mas nem sequer sabe por que é assim. E saiba, isso não é fingimento ou joguete. Não, isso é apenas muito confuso dentro de cada um.

Como lidar com a frieza no casamento

Para aprender a lidar, precisamos de uma conscientização mútua e do perdão desta dinâmica de sensibilidade e angústia, além de um compromisso de decodificá-lo quando o desengajamento e a indiferença surgirem. Não deixar que a apatia tome conta.

Temos que manter uma capacidade de diálogo em que os chamados “pequenos danos amorosos” podem ser transmitidos com segurança, sem que o outro desista quando as questões em jogo soarem como infantis ou imaginárias.

A delicadeza do Eu amoroso é ridícula, se julgada pelos padrões mais vigorosos do resto da vida, mas não estamos falando do “resto da vida”, e sim do amor.

Quando ficamos frios, talvez não tenhamos realmente perdido o interesse em nossos parceiros. Precisamos apenas de uma oportunidade para pensar que estamos realmente bastante magoados e furiosos com eles e que deveríamos ter acesso a um diálogo seguro, em que nossos sentimentos amorosos, mas críticos, possam ser transmitidos, expurgados e entendidos sem risco de humilhação, ironia ou indiferença.

O amor importa, pessoal. Se não pelo outro, mas porque estamos vivos para aprender a amar e lidar com este “Eu” tão vulnerável que existe dentro de nós. Tome cada desafio relacional como uma imensa lição sobre a sua própria existência. Você vive para aprender. Aprenda!


Como salvar um casamento que esfriou?

Seu relacionamento está precisando de um pequeno resgate?

Todo relacionamento tem seus altos e baixos, dias bons e ruins. Mas e se você sentir que seu relacionamento esfriou? Salvar um relacionamento sofrido pode ser extremamente difícil, especialmente quando seu relacionamento está em apuros há muito tempo.

Se você está tentando descobrir se deve tentar consertar seu relacionamento ou não, uma das primeiras perguntas que você precisa fazer a si mesmo é: Eu quero salvar esse relacionamento ou quero deixá-lo? Se a resposta for sim, você deseja salvá-lo, então é importante que você faça as seguintes sete coisas:

Comunique suas preocupações

Se o seu relacionamento esfriou, é importante enfrentar as questões subjacentes que trouxeram o relacionamento ao lugar em que se encontra. Pode haver uma série de fatores que interferem na paixão em seu relacionamento: medicamentos, estresse e problemas financeiros são apenas alguns exemplos. Se há algo que está interferindo em seu relacionamento, é hora de conversar com seu parceiro. Expresse suas preocupações e ouça também as preocupações de seus parceiros. A comunicação aberta é um grande passo para tirar seu relacionamento do buraco.

Sair da rotina

Se você está preso em uma rotina diária com seu outro romântico, é fácil as coisas ficarem estagnadas, até mesmo enfadonhas, e quando o tédio surge, ele pode se manifestar em todas as áreas do relacionamento, incluindo a intimidade. Uma maneira de trazer a paixão de volta é mudando sua rotina diária e criando novas experiências. Sair. Vá a lugares onde você nunca esteve antes. Surpreenda a sua cara-metade com uma noite em algum lugar especial. Dar um passo a mais pode percorrer um longo caminho e é apenas a novidade de que você precisa para colocar as coisas de volta nos trilhos.

Abandone os mecanismos de defesa

Um dos motivos pelos quais alguns relacionamentos esfriam é porque um ou ambos os parceiros não sabem exatamente como lidar com seus sentimentos. Quando mais precisamos nos conectar, podemos nos sentir vulneráveis ​​e nos retrair ou erguer uma parede que nos leva aonde vamos. Por isso, mecanismos de defesa aparecerão no relacionamento. Mecanismos de defesa são maneiras pelas quais nos comportamos ou pensamos de determinada maneira para melhor nos proteger ou nos defender.

Eles são uma forma de ver como as pessoas se distanciam de uma consciência plena de pensamentos, sentimentos e comportamentos desagradáveis. Resumindo, essas são maneiras de nos mantermos protegidos de nos machucar.

Infelizmente, ao tentar proteger nosso coração, afastamos o amor.

Quando nossas emoções estão em jogo, pode ser assustador, e nossas mentes usam mecanismos de defesa como forma de lidar com a ansiedade. Se você quer salvar um relacionamento que esfriou, descubra quais são seus mecanismos de defesa. É negação, projeção, racionalização, humor ou agressão passiva? À medida que aumenta a consciência de suas próprias defesas, você começa a diminuí-las, mesmo que seja apenas pouco a pouco. Ao expor seu coração, você verá que ele é bom. À medida que você se conhece, conhecerá outras pessoas.

Restabeleça a Intimidade

Se o afeto físico diminuiu em seu relacionamento, não é realista pensar que você pode voltar automaticamente ao que era antes. No entanto, é importante restabelecê-lo. A falta de intimidade em um relacionamento, seja físico ou emocional, não é apenas frustrante, mas também prejudicial. Isso exige que você abaixe suas barreiras e deixe seu parceiro entrar, de maneiras que você pode ter medo de fazer. Este é um processo gradual que geralmente começa com o restabelecimento da confiança. Quanto mais você construir sobre isso, mais forte será o relacionamento.

Dar um tempo

Se seu relacionamento esfriou, pode ser hora de fazer uma pausa. Isso dará a vocês a chance de se perderem. Isso não significa que você tenha que terminar completamente, mas dedicar um tempo para se concentrar em si mesmo vai ajudá-lo a descobrir qual é a posição de vocês dois em relação ao relacionamento. Muitas vezes, os relacionamentos se tornam desequilibrados. Se você tem mais convicção sobre seu relacionamento do que seu parceiro, você pode se tornar adesivo, uma forma de apego. Os melhores relacionamentos são aqueles que são coesos, com os dois parceiros trabalhando juntos. Passe algum tempo longe um do outro para focar em seus interesses individuais e depois decidir o que é melhor para você.

Lembre-se dos bons tempos

Isso pode soar como um clichê, mas se seu relacionamento esfriou, lembre-se dos bons tempos. Às vezes você precisa voltar para seguir em frente. Se seu relacionamento esfriou, faça coisas que o lembrem de tempos mais felizes. Revisite o lugar onde vocês tiveram seu primeiro encontro, tenham uma aula juntos ou simplesmente olhem fotos e vídeos antigos de vocês dois juntos fazendo coisas que você adorava fazer. Afaste seu relacionamento de suas preocupações da vida real e concentre-se nas coisas que os uniram em primeiro lugar. É fácil esquecer o quão duro você trabalhou para construir seu relacionamento até onde está agora. Pode parecer que aconteceu magicamente, mas não aconteceu. Ambos criaram a magia, detalhe por detalhe. Vocês dois formaram esse vínculo especial prestando atenção um no outro com o foco que caracteriza o amor.

Deixe para trás o passado

Uma das razões pelas quais muitos relacionamentos permanecem frios é porque uma ou mais partes no relacionamento se recusam a deixar o passado para trás e, no final das contas, acabam se apegando à mágoa. Agarrar-se a velhas queixas faz parte da intenção de proteger.

Frequentemente, culparemos nosso parceiro por nossa dor, em vez de assumir a responsabilidade por quaisquer escolhas que fizemos que resultaram em nossa infelicidade. Mas continuar a agarrar-se à dor do passado drena sua energia, assume o controle de seus pensamentos e o impede de seguir em frente. Deixar de lado a mágoa do passado é vital para avançar em seu relacionamento e na vida. Isso geralmente começa com o perdão. Oferecer perdão pode ajudá-lo a se livrar das mágoas do passado. Quando você perdoa alguém, é sobre se livrar da dor que outra pessoa lhe causou.

Se o seu relacionamento precisa de um pequeno resgate, essas sete dicas irão aproximar você e seu parceiro e reacender o amor que você sentia falta.