skip to Main Content
6 Coisas Que Eu Queria Ter Sabido Sobre Depressão Antes De Ser Diagnosticada Com A Doença

6 coisas que eu queria ter sabido sobre depressão antes de ser diagnosticada com a doença

Rachel Kelly (foto acima), graduada em Oxford, jornalista de um grande veículo britânico e mãe, viu sua ansiedade se converter em uma depressão profunda, que a colocou por meses em uma cama. Seis anos de antidepressivos e apoio da família lhe deram gradativa melhora, sendo que ela abandonou sua carreira e começou a se dedicar ao filho em casa.

Porém, uma segunda recaída, ainda pior do que a primeira, encontrou saída em um “tratamento” nada convencional: a poesia. Kelly começou a memorizar poesias, de mantras a poesias clássicas, sendo que muitas aparecem no seu best-seller, Black Rainbow: how words healed me (ainda sem edição no Brasil, cujo título poderia ser traduzido como Arco-Íris negro: como as palavras me curaram). Esta história de retomada foi compilada por Rachel em seis lições que a autora considera cruciais sobre a doença. Confira abaixo o depoimento de Rachel Kelly:

1 – A depressão é uma doença

Quando eu era mais jovem, acreditava que depressão era se sentir triste ou pra baixo. Hoje em dia, a palavra depressão é tão usada, que perdeu seu significado.

É importantíssimo diferenciar “se sentir deprimido” de “ter depressão”, de ser diagnosticado clinicamente com esta séria doença. A depressão clínica é algo que acomete nosso cérebro, e que possui sintomas muito claros e ruins.

2 – A depressão pode surgir rapidamente

Descreveria como um alçapão se abrindo velozmente sob meus pés. Fui de uma mãe feliz e trabalhadora em um grande jornal, sem qualquer histórico de transtornos mentais, para uma clínica psiquiátrica em três dias. Eu achava que a depressão levava muito tempo para se desenvolver, o que pode acontecer em alguns casos, mas não em todos.

3 – A depressão pode ser acompanhada de sintomas físicos

Durante meus períodos depressivos, cada segundo foi vivido com uma ansiedade e uma dor sem precedentes. Sentia náusea, taquicardia, insônia e um peso extremo. Minha cabeça parecia que estava para explodir, como se insetos estivessem me comendo por dentro.

Mesmo que os sintomas mais comuns sejam fadiga e lassidão, para mim foi o oposto. No meu caso, a depressão surgiu da ansiedade e foi assim que ela também se manifestou.

 4 – As causas da depressão são complexas

O Britain’s Royal College de Psiquiatria descreve sete possíveis causas para a depressão, incluindo genética, gênero e doenças físicas.

Muitas pessoas acreditam que a depressão surge após um evento traumático, geralmente associado com alguma perda e que pode ir da morte de alguém que amamos ao nascimento de um filho. Inicialmente, não compreendia como o nascimento de um filho poderia estar associado com a perda, mas, após anos de terapia, percebi que assim como ganhei muitas alegrias com meu filho, perdi a sensação de liberdade e de aventura da minha juventude.

5 – Antidepressivos são coisas sérias

Comecei a sentir muitos efeitos colaterais após começar o tratamento medicamentoso. Ganhei peso, tive boca seca, tontura, constipação intestinal, visão turva. Na realidade, me sentia pior com o remédio do que sem ele. Este é um aspecto importante do tratamento com remédios, e uma das razões pelas quais os  pacientes desistem antes mesmo deles fazerem efeito.

Os remédios começam a funcionar de seis semanas para mais. Eu costumava acordar reclamando que precisava voltar para o trabalho e precisava que a medicação funcionasse agora, mas tive que aprender a lidar com o tempo, porque a medicação, no meu caso, foi parte importante da recuperação.

6 – A depressão não é culpa de ninguém

Quando escrevi sobre minha história em meu livro, as pessoas vinham me dizer como eu era corajosa, mas a verdade é que ninguém precisa sentir vergonha por ter esta doença. Não havia coragem alguma, era apenas minha história como a de milhares de pessoas e esta é a lição mais importante que posso dar a vocês.

Tratamento para depressão no Rio Grande do Sul

A psicopedagoga Dolores Bordignon tem 20 anos de experiência no tratamento de diversas doenças como depressão, estresse, ansiedade, além de um grande trabalho envolvendo a família, pais, cônjuges. Sua clínica e local de atendimento fica na cidade de Porto Alegre. Entre em contato para buscar tratamento.