skip to Main Content
Quer Ser Feliz Em 2019? Veja O Que As Grandes Mentes Nos Ensinam Sobre Felicidade Há Milhares De Anos.

Quer ser feliz em 2019? Veja o que as grandes mentes nos ensinam sobre felicidade há milhares de anos.

Felicidade é frequentemente descrita como um estado subjetivo de bem-estar, tranquilidade e equilíbrio. Ou seja, qualquer pessoa pode ser feliz. O problema é que você busca a felicidade nos lugares onde ela não está.

Este problema não é seu. Na realidade, ele é tão velho quanto a própria humanidade. A grande busca das nossas vidas, a felicidade, é um dos temas mais pesquisados e abordados ao longo da história.

Sábios das mais antigas civilizações escreveram sobre felicidade, paz e serenidade. Afinal, são os valores que movem todas as pessoas – sim, você também.

As lições destes sábios são tão atuais hoje quanto na época em que foram escritas ou verbalizadas. Vamos dar uma olhada em alguns exemplos.

Felicidade é o que você pensa, o que você diz e o que você faz quando está em harmonia.

Mahatma Gandhi

Todos pensam em como mudar o mundo, mas ninguém pensa sobre mudar a si mesmo.

Leon Tolstói

Milhares de velas podem ser acesas a partir de uma única vela e a vida desta primeira vela não será encurtada. A felicidade nunca é reduzida ao ser compartilhada.

Buda

Felicidade é a ausência da busca pela felicidade.

Zhuangzi

Ao longo do tempo, fomos modificando a linguagem e a forma de explicar as lições acima, mas perceba como a essência é exatamente ensinada pelos grandes nomes da psicologia, filosofia ou até mesmo do coaching.

Não importa o quanto nossas sociedades avancem, ainda estamos atados ao mais antigo problema do ser humano: como posso ser feliz?

Neste artigo, falarei sobre as 05 barreiras para a felicidade. São obstáculos tão antigos quanto os mestres que citei.

Para tratar de um tema como este, não é preciso trazer a mais recente pesquisa científica, porque muitas vezes o que nos falta é somente reconhecer e abraçar um ensinamento fundamental.

Muitas vezes, o que nos falta é entender que nossas mentes criam inúmeros novos problemas – com o único intuito de fugir de um problema original. Ou seja, o que nos falta para sermos felizes é verdadeiramente aceitar nosso propósito de vida.

No próximo post, seguiremos neste tema: falarei sobre as 10 chaves para a felicidade.

Novamente, não trarei pesquisas recentes ou manchetes de jornal. Jogaremos luz sobre o verdadeiro porquê de acordarmos diariamente. Acordaremos uma sabedoria que está dormente em nós e veremos maneiras de praticá-la em nosso cotidiano.

Inscreva-se no site para não perder as 10 chaves para a felicidade.

Agora, vamos ver o que você tem feito para impedir sua própria felicidade.

Você está pronto para finalmente trilhar seu caminho?

https://youtu.be/V7hBfT9A3ak

As 05 barreiras que te impedem de ser feliz

01) Você está buscando a felicidade em lugares ou outras pessoas

É o clássico “quando eu emagrecer, serei feliz”. Ainda, “quando meu marido for assim, seremos felizes”.

O que estas frases nos apresentam? Uma condicionalidade na felicidade. Ou seja, quando a condição acabar, você voltará a ser infeliz.

Infelizmente, a verdade é que não existe algo que nunca muda. Seu marido até pode se tornar o que você quer, mas, fatalmente, ele fará algo que você não gosta ao longo do caminho. Aqui, você voltará a ser “infeliz”.

O mesmo acontece com sua dieta. Haverá um dia em que o desejo de comer determinada coisa será mais forte. Você ficará infeliz por ter engordado ou por ter sucumbido à vontade?

Você não pode ser escrava das condições. Este é o grande aprendizado.

Quando dependemos de fatores externos para nos sentirmos bem, estamos falando de alegria e tristeza, não de felicidade. Veja, alegria e tristeza são questões comuns a todos nós. Fazem parte do cotidiano.

A felicidade pertence ao ser, não ao estar.

Claro, muitas questões externas geram momentos alegres. Isso é ótimo. Mas, isso é diferente de embasar seu ser integralmente nestas condições. Se um dia de sol te fizer feliz e o inverno infeliz, como você cruzará as inevitáveis tempestades da vida?

É um raciocínio lógico que deve permanecer dentro de nós: não se trata de você se culpar por não ter atingido a felicidade, mas sim de perceber que sua meta pode estar equivocada.

Você pode estar se esforçando (e muito) para construir uma vida em que sua felicidade dependerá de coisas sobre as quais você jamais terá controle. Ou seja, você não está construindo felicidade, pelo contrário.

Você está pronto para redirecionar suas forças em direção ao seu grande objetivo?

02) Complexidade

Frequentemente, nossos dias são repletos de atividades e questões que levantamos para nós mesmos. Lutamos para sermos tão eficientes quanto nossos amigos ou para comprarmos um carro como o do vizinho.

Este espírito de comparação também surge em valores importantes, como colocar os filhos para estudar em todos os cursos possíveis, para que eles tenham mais chances de competir no mercado de trabalho.

Tudo isso é válido desde que compreendamos o que estamos fazendo. Dedicar a vida a ser melhor com base nos outros ou a lutar contra um suposto inimigo que criamos é gastar nosso precioso tempo consertando aquilo que quebrou ou mantendo aquilo que acumulamos ao longo da jornada.

Esta caminhada de acúmulo é extremamente pesada e complexa. Você deve sentir isso neste momento. A vida atual é abarrotada de compromissos e necessidades que exigem um trabalho tremendo para manter.

Em um post sobre felicidade no casamento, esclareci que, quando você fica pulando de tarefa em tarefa, você perde os instantes mágicos que surgem quando menos esperamos.

Você está tão absorta no celular ou nas demandas que seu estilo de vida exige, que você perde um pôr-do-sol, a risada dos filhos, um belo gesto de carinho do seu marido.

Quando você reduz a complexidade da sua vida, surge o espaço para a apreciação da simplicidade.

Você percebe que é possível se sentir tão realizada no simples quanto no complexo e cria um solo seguro para reduzir a carga de necessidades e desejos.

A partir daqui você começará a ver como é capaz de se sentir feliz sem ter que criar e manter grandes condições. Seu bem-estar não depende de tantas necessidades. Você se torna leve, presente e mais harmônica, fatores importantes para a verdadeira felicidade.

Você está pronto para ver que tudo que você acumulou é belo e digno de congratulação, mas não faz diferença na sua felicidade?

03) Sufocar sentimentos

Desde a infância, meninos e meninas aprendem que não é bom chorar, gritar, ser vulnerável ou supostamente fraco.

Quando as crianças engolem o choro, os pais ficam mais calmos. Ao ponto em que os pais presenteiam os filhos para que parem de sentir: um pirulito para não ficar triste, por exemplo.

Aprendemos, assim, a suprimir nossos sentimentos.

O sufocamento gera desconfiança sobre os outros e sobre nós mesmos. Seremos amados por aquilo que somos ou precisamos “engolir o choro” para ganharmos o pirulito?

Se não sentimos confiança no amor e nas pessoas, como construiremos relações verdadeiras? O que fazemos, então, é gerar jogos mentais e muros emocionais.

Saiba que cada muro que você constrói para te proteger do outro é um muro que te impede de conhecer a si mesmo.

Isso não significa que você será um campo aberto para que todos, é claro. Há pessoas que machucam propositadamente e há pessoas esperando para te amar.

Felicidade também é a sabedoria de reconhecer quem é quem e estar apto para se abrir e se fechar na lucidez e na claridade desta compreensão.

Você consegue enxergar quem é confiável? Está pronto para se abrir e ser amado?

04) Focar no problema e não na solução

Perceba como vamos repetindo máximas muito populares. É importante que você compreenda por que tantas pessoas repetem que devemos focar na solução e não no problema.

Não se trata apenas de atrair coisas boas e afastar as más. Não se trata apenas de boas energias, mas sim de clareza.

Entenda que temos duas esferas em nossas vidas: a vida material, que é nosso cotidiano, e a vida espiritual, que é esta busca pela felicidade do ser.

A vida material é prática: o carro quebrou e você precisa ligar para o guincho. Perdeu a chave e precisa trocar a fechadura. Perdeu o emprego e precisa encontrar outro. São questões que exigem ações práticas para que sejam solucionadas.

Não estou dizendo que é fácil viver. Sabemos que não. Estou falando que os problemas materiais se resolvem de forma material.

Se os problemas que surgirem forem materiais, do cotidiano, busque soluções efetivas. Combine o dia de tirar o lixo. Agende a data para ir ao médico. Apenas isso.

Afaste suas emoções da solução. A vida não joga problemas para que você afunde, não existe uma conspiração divina contra você. Existem apenas tarefas que precisam ser resolvidas.

Agora, se os problemas que surgiram são da esfera do ser, entenda que o outro não terá a solução. O papel do outro é abraçar o problema com você, mas a solução será um imenso comprometimento consigo mesmo, como estamos fazendo aqui.

De qualquer forma, o foco se dá ora na solução ora na construção, nunca no problema em si.

Problemas materiais são práticos. Problemas do ser são processos extensos, que têm foco na construção… Como a sua felicidade.

Tenha lucidez sobre o tipo de problema. Tenha lucidez sobre o tempo e a forma de resolvê-lo.

Você está pronto para parar de achar que a vida está te punindo? Está pronto para construir?

05) Pouca vida real, excesso de vida digital

Sábios antigos não falavam sobre o excesso de Facebook, é claro. Mas, falavam sobre a importância do cultivo do tempo, de laços reais e outras questões que apenas a vida diretamente vivida nos dá.

Não precisamos de mais pesquisas comprovando o quanto mídias sociais podem ser viciantes.

Sabemos como os barulhinhos das notificações distraem nossas mentes do que estamos fazendo e dividem nossa presença com o que está acontecendo agora. Telas nos jogam em um espaço virtual bem mais veloz do que a maioria de nós consegue lidar.

Esta pressa mental aliada à falta de presença são dois obstáculos imensos para a felicidade.

Já divulguei aqui que Daniel Goleman define a felicidade como a capacidade de foco.

Goleman, o pai da Inteligência Emocional, apenas comprovou o que milhares de anos de práticas ancestrais, como o yoga e a meditação, trouxeram para nós. É isso que torna Goleman tão grande: suas pesquisas reforçam um conjunto de ensinamentos fundamentais para a vida humana.

Mas, seu celular fala mais forte, não é mesmo?

Na próxima vez que você pegar seu aparelho, pense sobre como sua mente está sendo dividida. Verifique se sua velocidade de pensamento não está sendo alterada. Observe o que foi prejudicado na vida real para que você parasse o que está fazendo e se dedicasse à tela mesmo que por um instante.

Não se trata de não usar o celular. Trata-se de priorizar o que deve ser priorizado. Trata-se de ter clareza sobre as consequências de cada ato. Trata-se, enfim, de se comprometer com a construção da felicidade dentro de você, não para seus seguidores.

Use o celular como ele deve ser usado: uma ferramenta de pesquisa, um mecanismo capaz de facilitar trocas necessárias para resolver problemas práticos.

Você está pronto para buscar a felicidade onde ela de fato está?

Espero que sim, porque, no próximo post, é isso que abordaremos: as 10 chaves para a felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *