skip to Main Content
Quer Ser Feliz? Aprenda A Ficar Triste.

Quer ser feliz? Aprenda a ficar triste. O segredo da felicidade é não sofrer por não estar feliz. É aqui que se abrem as portas para você ouvir o que está dizendo para si mesmo.

Nós todos queremos, é claro, ser felizes. Mas, uma coisa estranha sobre ser feliz é que este estado requer que aprendamos e pratiquemos regularmente uma habilidade relacionada, conhecida como “saber ser triste”.

Tristeza é um sentimento que responde a estímulos internos, como recordações, memórias, vivências; ou externos, como a perda de um emprego ou de um amor. Não se trata de uma emoção, que é uma resposta imediata a um estímulo. No caso da tristeza, nosso organismo elabora a sensação e a amadurece antes de manifestar. É uma resposta natural a situações de perda ou de frustrações, em que são liberados hormônios cerebrais, chamados neurormônios, responsáveis pela angústia, melancolia ou coração apertado.

Como ninguém recebe somente notícias boas o dia todo, não há como fugir do estado de tristeza. Todos os dias, um monte de coisas sofridas nos acontecem. Alguém não nos liga. Alguém diz “não”. Um projeto parece não ir pra frente. Você poderia pensar que, nestes casos, apenas nos sentiríamos um pouquinho tristes e depois passaria.

Mas não é assim que muitos de nós realmente funcionamos. Frequentemente, nossas mentes se fecham para sentimentos negativos inconvenientes e vão para um estado que os psicólogos chamam de “negação”, no qual a mente se recusa a acessar verdades duras, porém reais e necessárias para o nosso crescimento (e até para nossa felicidade verdadeira).

Podemos, como resultado dessa pilha de sentimentos, desenvolver certos sintomas ruins: não conseguimos dormir; partes do nosso corpo têm contrações involuntárias; desenvolvemos um vício… Ou, em vez disso, nos tornamos extremistas, irritáveis e insistentes em um falso otimismo, o tipo de felicidade que não tolera nenhuma tristeza.

Isso acontece porque as pessoas não aceitam a tristeza pelo seu verdadeiro propósito. Mas sim, com toda a certeza, a tristeza tem o seu propósito bem definido. O objetivo da tristeza é fazer sentir (lembrar e alertar) que algo foi perdido, que algo aconteceu que não lhe serve ou lhe provoca mal-estar. E é tarefa de quem sofre fazer o trabalho mental de descobrir o que é que o incomoda.

Deixar problemas de lado é profundamente tentador, mas nossos prazeres só serão autênticos, só serão realmente nossos, quando tivermos, antes, dado à dor todo o espaço que ela precisa em nossas vidas.

A dor é certamente algo horrível de sentir, mas por ser uma parte de nossa realidade, nós precisamos ter a coragem de permitir que ela trabalhe do seu jeito e em seu tempo, através de nosso sistema. É assim que a dor trará as lições que ela veio oferecer sobre a vida e sobre nossas limitações. É com tranquilidade na dor que conseguimos enxergar nossas limitações com amor e, portanto, aprendemos a nos amar plenamente.

Dolores Bordignon tem mais de duas décadas de experiência clínica, somando centenas de casos individuais, de famílias e casais que desejam construir novos paradigmas. Suas palestras e workshops trazem à luz a importância da inteligência emocional para as relações pessoais, profissionais e familiares. Conheça o trabalho da psicopedagoga em nosso site. Entre em contato com Dolores Bordignon para promover um evento em sua instituição.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *