skip to Main Content
Quer Se Destacar Por Sua Inteligência Emocional? Desenvolva A Escuta Acima De Tudo

Quer se destacar por sua inteligência emocional? Desenvolva a escuta acima de tudo Você achava que havia nascido capaz de escutar, mas pense novamente. Esta habilidade precisa de muito aprendizado e prática.

Uma das ferramentas mais eficientes para construir inteligência emocional e social é aprender a escutar. Pensamos que nascemos escutando, mas a verdade é que apenas ouvimos. Ouvimos sons, escutamos pessoas. E pessoas são seres complexos, com suas linguagens corporais, seus segredos e receios. A escuta emocional captura as palavras e todo o resto, fazendo o ambiente acolhedor e aberto, gerando laços entre pessoas e amizades onde há pressão ou medo.

Escutar o outro é gerar empatia e empatia enriquece nosso repertório de vida, humaniza, abre espaço para acordos eficientes e relações aprofundadas. A inteligência emocional é a chave para esta escuta que, em momentos de estresse ou crise, sabe exatamente o que dizer e como estimular o fazer mais acertado. A escuta é, por fim, a habilidade-mestra da inteligência emocional, pois é ela que fará líderes conhecerem suas equipes e equipes conhecerem os clientes. Graças à escuta, a roda gira não apenas rumo ao sucesso, mas ao sucesso virtuoso, que promove bem-estar e felicidade.

Vejamos algumas dicas para desenvolver esta capacidade da inteligência emocional!

1 – Reforce o que os outros sentem, não apenas o que dizem

O ponto de partida para a escuta emocional é reforçar – balançar a cabeça, dizer “sim” ou “claro, entendo” – mas, não é apenas isso. Mostre que você tem empatia usando frases como “agora, consigo ver porque você se sente assim” ou “esta decisão deve ter sido difícil para você”. Isso torna o desabafo uma verdadeira troca e encoraja o outro a se abrir e a compartilhar seus sentimentos, não apenas suas ideias e pensamentos.

2 – Leia outras linguagens, não apenas a verbal

Você está em uma reunião com seu chefe, quando ele recebe uma rápida ligação de outro executivo. Após desligar, você nota que o tom de seu chefe ficou ríspido. Ele parece um pouco estressado e distraído. Pode parecer mais delicado ou educado fingir que você não percebeu, mas não é. Pergunte, interaja: “você quer se reunir depois?” E mesmo que ele diga para prosseguir, você demonstrou que está escutando emocionalmente. Agora, você deu abertura a ele para, talvez, compartilhar algo do telefonema com você.

A escuta emocional exige que você preste atenção às expressões, tom de voz e linguagem corporal para tirar conclusões sobre as emoções do outro. Todos nós já o fazemos involuntariamente, mas a chave é usar estas informações conscientemente e saber o que fazer com elas.

3 – Investigue os detalhes

Claro que dicas verbais importam, mas se você escuta emocionalmente, você terá mais capacidade de interpretar o que está sendo dito. As palavras nem sempre são simples ou claras. Às vezes, as palavras precisam ser “desconstruídas”. Por exemplo, se alguém diz “pouco me importa!”, ela pode querer dizer “você não se importa com o que eu sinto”. Até algo mais educado, como “aceitarei isso” pode significar “eu discordo desta decisão, mas não tenho voz para lutar contra”.

É difícil saber ao certo se alguém disse o que não sentia, mas, sempre que você estiver em dúvida, é melhor investigar os detalhes. Aqui estão ótimas questões que o ajudarão a reunir mais insights sem acusar ou pressionar ninguém:
– Como você se sente sobre isso?
– Você preferiria outro resultado?
– Sinto que você está preocupado com isso.
– Você pode me falar mais a respeito disso?

Você perceberá que estas frases são breves, mas muito eficazes. Tudo o que elas fazem é abrir espaço para alguém elaborar sobre o que está se passando na mente.

4 – Perceba seus próprios sentimentos sem sucumbir a eles

Sim, é mais fácil dizer do que fazer. É tão fácil reagir emocionalmente se ouvimos aquilo que não gostamos. Mas, a chave não é ignorar os sentimentos que surgem, mas sim RESPONDER a eles em vez de REAGIR a eles. Esta é a grande diferença. Se você sente que está ficando angustiado, bravo, irritado, perceba isso e imediatamente se movimente a tentar compreender o que motiva a outra pessoa. Isso pode ajudar a redirecionar a energia emocional para algo mais produtivo.

Para fazê-lo, encontre algo em comum com o outro. Por exemplo, em uma reunião de trabalho, algum colega diz algo que lhe estressa. Mas, reconhecer que todos estão sob pressão, trabalhando mais do que gostariam ou poderiam, e perseguindo a mesma meta é importante para você saber que seu colega está, provavelmente, sentindo o mesmo que você com relação ao trabalho — ou seja — não é pessoal.

Com esta abordagem, você sempre terá conversas mais produtivas. Quando as coisas saírem de controle, saberá parar e responder como deve: “estamos todos emotivos aqui, mas não devemos deixar que isso atrapalhe nossa meta comum. Vamos tentar entender o que sentimentos e trabalhar juntos”.

Ouvir um grupo é ainda mais desafiador do que ouvir apenas uma pessoa. Mas, a vida é feita de grupos e de outros. É este grande desafio de escuta o tempo inteiro. E, já que vamos ter que escutar, por que não fazê-lo com sentimentos?

Desenvolva sua inteligência emocional com a psicopedagoga Dolores Bordignon. Palestras e workshops sobre inteligência emocional em Porto Alegre e todo Rio Grande do Sul. Décadas de experiência clínica, dezenas de eventos que fazem toda diferença em empresas e equipes pelo estado. Entre em contato. Converse conosco

>> Siga Dolores Bordignon no Facebook e fique por dentro do que há de mais interessante no universo da Inteligência Emocional!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *