skip to Main Content
Quando O Coaching Funciona (e Não Funciona) Na Minha Empresa?

Quando o coaching funciona (e não funciona) na minha empresa?

Pequenas ou grandes, as empresas estão acordando para o profundo efeito que a cultura do coaching tem no chamado tripé da sustentabilidade, também conhecido como PPL, “pessoas, planeta e lucro”. Organizações estão enviando seus executivos e líderes para diversos cursos de coaching na esperança de otimizar resultados, o que nem sempre acontece. Frequentemente, o retorno é pequeno, se é que existe, porque as habilidades básicas aprendidas nos cursos não se traduzem em resultados no ambiente de trabalho. Os funcionários seguem desmotivados.

Nos anos 1970 e 1980, os pioneiros em liderança Tim Gallwey e John Whitmore combinaram os conceitos do treinamento de alta performance dos esportes com componentes primordiais da psicologia transpessoal para desenvolver uma abordagem de performance que é mais transformacional do que transacional.

No best-seller Coaching for Performance, John Whitmore explica que o verdadeiro coaching é a prática da Inteligência Emocional; é um comportamento, não um conjunto de conhecimentos. Ele revela que a essência do bom coaching é construir autopercepção e responsabilidade. Uma breve lida na obra já é suficiente para entender que coaching é mais do que treinamento: é uma maneira de ser, um estilo de gerenciamento com inteligência emocional.

Acredito que a Inteligência Emocional e o coaching são inseparáveis; que pessoas emocionalmente inteligentes tendem a se comportar como se já tivessem passado pelo processo do coaching, mesmo que não o tenham feito. – John Whitmore

Para influenciar e trabalhar com confiança, para contribuir com sucesso no crescimento e na performance da organização, os líderes precisam saber o que está acontecendo ao redor deles. Precisam compreender o que estão vivendo no momento e reconhecer o que é estar no lugar dos outros. É crucial que líderes saibam como se conectar com seus sinais internos e perceber como suas emoções os afetam e como são impactados pelas emoções dos outros — e como tudo isso influencia na performance da empresa.

Há sempre um jogo interno sendo jogado em nossas mentes, independentemente do que estejamos vivendo. O quanto você percebe isso é a diferença entre o sucesso e o fracasso. – Tim Gallwey

Percepção e autoconhecimento são as bases do coaching e da Inteligência Emocional

Pelos últimos 50 anos, as organizações têm operado na Era da Informação, onde o capital intelectual é premiado como chave do lucro. Porém, as empresas mais avançadas já estão se movendo para além da informação e o intelecto está operando em uma nova realidade, a da Era da Consciência.

Nesta desafiadora fronteira de vantagem competitiva, o capital cultural importa e as inteligências emocional e social importam mais ainda. Aqui, gerentes e líderes se comportam como indivíduos emocionalmente inteligentes que nos ajudaram a nos sentirmos especiais, valorizados, confiantes e, acima de tudo, capazes de agir com base nestas percepções. São estes líderes que estamos formando com nossas palestras e workshops, líderes no verdadeiro estilo coaching.

Conheça nosso trabalho diferenciado, com foco na Inteligência Emocional. Entre em contato, venha conversar comigo e entender a importância de qualificar sua equipe com inteligência.

Entre em contato com a psicopedagoga Dolores Bordignon para palestras e workshops de coaching com foco na inteligência emocional >> Email dolores.bordignon@terra.com.br | Telefone: 99991.9298

Siga Dolores Bordignon no Facebook e acompanhe as postagens sobre o que há de mais interessante no mundo da Inteligência Emocional!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *