skip to Main Content

O trabalho de Jean Piaget, pioneiro no campo da inteligência infantil, nos ensinou que estamos permanentemente em estágios de adaptação e de organização dentro do meio em que vivemos. Estamos constantemente aprendendo e adaptando estes novos aprendizados a estruturas prévias.

Hoje mais do que nunca, temos que assimilar, acomodar, organizar e completar o processo de adaptação numa rapidez que nem sempre o nosso organismo acompanha. Será que a vida contemporânea nos dá o tempo necessário para refletir, escolher e responder por nossos desejos com consciência? Creio que não.

No meu trabalho, encontro os efeitos que esta realidade está provocando em forma de sintomas, de síndromes, como a Síndrome do Pensamento Acelerado, pesquisada pelo Dr. Augusto Cury. Assim, grande parte do meu trabalho é abrir os canais de percepção das pessoais com elas mesmas. Aprender a se ouvir, a se enxergar, se conhecer.

Tenho orientado as pessoas sobre a importância da reflexão acerca das vidas que levamos, sobre a quantidade de desejos e necessidades que, para serem mantidos, fatalmente nos levarão a uma vida sem pausa para reflexão. É um ciclo que precisa ser parado em algum ponto.

Precisamos aprender a respirar até sentirmos que a respiração dentro de nós é a vida que pulsa. Precisamos acompanhar nosso próprio ritmo interno, nos permitindo avaliar e reconhecer se estamos fazendo o nosso melhor para nós mesmos ou se devemos repensar caminhos enquanto há tempo.