skip to Main Content
Mulheres, Mães, Trabalhadoras, Belas E Cansadas Guerreiras

Mulheres, mães, trabalhadoras, belas e cansadas guerreiras Existe a mãe perfeita? Não, mas tentaremos até o fim e isso pode gerar estresse e culpa dolorosos.

Grande parte dos desafios não tem uma solução definitiva ou imediata. Para estes, encontrar o apoio de pessoas que passam pelo mesmo pode ser o mais terapêutico dos gestos. Assim, trazemos a mensagem da modelo e apresentadora norte-americana Stacy-Ann Gooden (foto acima), também conhecida por seu site dedicado à maternidade e à educação dos filhos.

Stacy é linda, estilosa, tem um ótimo salário e uma família feliz. Como consegue? Com a mesma força que usa para admitir que ela chora com mais frequência do que gostaria. A maioria das mulheres se divide entre tarefas incontáveis e, sabemos bem, não apenas executamos as tarefas: queremos fazê-las com amor, com dedicação, bonitas e felizes. Porém, uma das receitas mais certas para o desgaste mental e físico é querer abraçar o mundo com este maravilhoso amor de mãe. É hora de sermos mais seletivas e deixarmos alguns de nossos mais queridos planos acontecerem sem tanta dedicação de nossa parte.

Ser mãe também é saber dizer não (para si mesma). Afinal, mais importante do que construir uma vida perfeita é ter saúde para viver uma boa vida.

Confira o que Stacy tem a nos contar sobre sua história repleta de aventuras e lições sobre a multiplicidade feminina:

Volta e meia, sou elogiada pelo quanto eu consigo equilibrar todas as minhas tarefas. Dia desses, uma colega de trabalho me disse “Você está sempre tão arrumada. Como consegue fazer isso com duas crianças?” E eu respondi a verdade, “Obrigada, mas não é nada fácil.”

Ela, obviamente, não conseguia perceber que eu estava chorando por dentro pela falta de sono. Você pode pensar que eu consigo lidar com tudo, mas a verdade é que, na maioria dos dias, eu sinto como se estivesse enlouquecendo. E eu sei que não estou sozinha nessa.

Uma a cada quatro mães chora uma vez por semana por causa do estresse, segundo uma recente pesquisa. Quase mil mães foram entrevistadas no estudo, respondendo questões sobre equilibrar a maternidade, a casa e o casamento.

A maioria destas mulheres passava 80h por semana cuidando da casa – isso sem contar suas jornadas de trabalho. 11% chegam atrasadas ao emprego ou faltam por causa de doença uma vez por semana. Mais da metade das entrevistadas lamentou não ter tempo de desfrutar da companhia de seus amados e 1/3 admitiu que briga com a família ao menos uma vez por semana. A pergunta que permanece é clara: como mães devem lidar com o estresse e a culpa de tentarem equilibrar tudo?

A editora do site que realizou a pesquisa comentou que as mães querem ser ótimas em tudo. Mas, isso não é sempre possível. Ela também falou que devemos pedir ajuda e parar de nos comparar com as outras mães. Com a chegada das festas de fim de ano, é um excelente momento de colocar estes conselhos em prática. “Começando agora, tente terceirizar ou repassar suas tarefas para outra pessoa”, disse ela. “Se comprometa com ter festas de fim de ano menos elaboradas. Ainda serão ótimas, mesmo que sejam nota 9 e não 10 em sua mente. Não se trata de seus filhos, porque eles adorarão de qualquer forma.”

Trabalhar turno integral, cuidar de dois pequenos e ainda estudar parece assustador. Mas, eu consigo administrar minha sanidade com a ajuda da minha mãe e do meu marido. Entre nós três, conseguimos manter as coisas em ordem.

Também comecei a reduzir certas coisas para evitar que eu ficasse louca. Em vez de fazer duas cadeiras neste semestre, decidi focar apenas em uma. Quanto mais pressão eu colocar sobre mim mesma, mais tempo terei com minha família, menos estresse e culpa sentirei.”


 

A terapeuta Dolores Bordignon tem viajado o Rio Grande do Sul com palestras e workshops para estas mulheres, para nós, mulheres, que tanto precisam de um alinhamento nos planos, de uma mão amiga para ajudar nas tarefas, da empatia das outras mulheres e de força pra prosseguir.

Como conseguimos? O que posso fazer para facilitar minha vida? Como melhorar minha relação com minhas colegas de trabalho? Todas estas perguntas e muitas outras são trabalhadas pela psicopedagoga com conversas e exercícios práticos e divertidos para que sua felicidade e o sucesso de sua equipe voltem à equação da vida. Entre em contato com Dolores Bordignon e agende um encontro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *