skip to Main Content
Mulheres Contemporâneas: O Poder Por Trás Da Autossuficiência

Mulheres contemporâneas: o poder por trás da autossuficiência

Somos uma sociedade com memória curta, é fato. Facilmente, esquecemos de nossas próprias conquistas e nos enveredamos em um injusto caminho composto apenas de cobranças. Um caminho sem reconhecimento, apenas com demandas.

A história surge como um grande auxiliar neste sentido. Ao observarmos a trajetória das mulheres que vieram antes de nós e tudo que conquistamos em tão pouco tempo, conseguimos direcionar nossa liberdade e nossa responsabilidade de forma mais equilibrada – especialmente, para as mulheres que virão depois de nós.

Saber quem somos e o que estamos fazendo é uma questão de responsabilidade com nós mesmas e com as futuras gerações. É desta forma que reconheceremos nossos acertos, mas também nossos limites. É desta forma que compreenderemos os pontos fortes e fracos do nosso tempo.

Quem são as mulheres contemporâneas? Fortalezas autossuficientes? Quando elas param? Como elas se sentem? Como são protegidas? Onde se refugiam?

Foi sobre isso que conversei com o público presente no encontro Mulheres Empreendedoras, onde ministrei uma palestra para um grupo muito especial de mulheres: trabalhadoras, mães, esposas, estudantes. Acima de tudo, membros de uma mesma equipe, o Salão de Beleza Espaço Tri, localizado na Av. Oscar Pereira, 3501, no bairro Glória, em Porto Alegre.

A elas, propus dinâmicas e reflexões coletivas sobre o eixo fundamental do nosso cotidiano: como vamos organizar nossas histórias, como vamos encontrar sentidos e modelos de mulheres com inteligência, equilíbrio e qualidade de vida?

Lágrimas, risos e compartilhamento de trajetórias foram a base para trabalhar o sentimento comum à grande maioria das mulheres atuais: por trás da imagem de autossuficiência, há uma mulher solitária.

A falta da complementaridade que o masculino trazia às nossas vidas (humor, objetividade, praticidade, proteção etc) tem sim nos atingido de forma significativa. Precisamos falar sobre isso também.

O que há por trás da autonomia, do empoderamento, do ser capaz de assumir tudo? A força da mulher contemporânea é o lado positivo – mas qual é o negativo?

Enquanto não compreendermos os dois lados do chamado pêndulo da história, dificilmente desenvolveremos a consciência necessária para traçar uma narrativa com sentido.

Como terapeuta de famílias e de sistemas humanos, inevitavelmente defenderei que a equipe sempre será mais forte do que o indivíduo isolado. O casal que une seus melhores pontos irá além de um único indivíduo, por mais forte e sábio que esta pessoa seja.

O mesmo acontece com uma equipe de trabalho, com uma turma em sala de aula, o que for. Por melhor que seja o profissional autônomo, uma equipe inteira terá mais conhecimento e capacidade sobre uma determinada área.

Claro, os sistemas humanos são sim complexos e mais difíceis do que o isolamento, mas eles nos levam a lugares ainda mais elevados. E o melhor de tudo, tiram o peso de todas as cobranças de uma equipe sobre os ombros de uma pessoa só.

E o peso tem sido grande, não é mesmo?

O primeiro passo é compreender que não é apenas você que sofre com isso. É uma carência contemporânea que deve ser trazida à tona, debatida, refletida para que possamos criar formas objetivas de minimizá-la.

Ou seja, não é você que sofre com a pressão, com a solidão, com a incapacidade real de ser esta equipe toda sozinha. Isso é justamente o que caracteriza o nosso tempo. Também, não se trata de negar o presente, saudar o passado e lastimar pelo que vivemos.

Cada era tem uma questão para trabalhar. Cada era tem seu ponto forte e seu sofrimento. Compreender o que caracteriza as mulheres de hoje e construir uma história que supra estas faltas é o grande caminho para o equilíbrio não apenas interno, mas de tudo ao nosso redor.

Até aqui, estivemos na esfera da informação, onde podemos trabalhar de forma universal, compreendendo juntos os desafios que enfrentamos.

Daqui para frente, entramos na esfera da transformação, onde conheceremos cada membro da equipe, cada história individual. Assim, costuraremos as peças frente a frente, em encontros capazes de mudar a trajetória de todos os envolvidos nesta corrente de mudança e comprometimento.

Ajude sua equipe a se desenvolver sistemicamente. Isso promoverá a melhoria das famílias, da saúde e da interdependência do time.

Interdependência é um conceito oposto à autossuficiência que marca nosso tempo. É a sabedoria prática sobre a interdependência dos sistemas que nos falta e que falta à sua empresa, sua família, sua vida.

Promova palestras e workshops capazes de desenvolver sua equipe. Invista na essência da sua empresa: a qualidade de vida dos funcionários.

avatar

Dolores Bordignon

Terapeuta e Coach de casais

Dolores Bordignon tem mais de duas décadas de experiência clínica, somando centenas de casos individuais, de famílias e casais que desejam construir novos paradigmas. Suas palestras e workshops trazem à luz a importância da inteligência emocional para as relações pessoais, profissionais e familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *