skip to Main Content
Guia Definitivo Do Casamento Feliz [21 Perguntas Rápidas Para Uma Vida De Felicidade]

Guia definitivo do casamento feliz [21 perguntas rápidas para uma vida de felicidade] Deixe o modelo do vestido de lado por um instante: responda estas perguntas para garantir felicidade no casamento... Depois da cerimônia.

Você acaba de marcar seu casamento e a primeira coisa que passa pela sua cabeça é onde comprar o vestido, qual buffet contratar, como serão os convites, certo? Errado. 

São mais de duas décadas trabalhando com o sentido do casamento duradouro, investigando e colaborando na manutenção e no significado do casamento – e temos algumas informações para te passar.

Reunimos dezenas de pesquisas e entrevistas com advogados especializados em divórcio, terapeutas de casal, além da nossa experiência em consultório e ministrando workshops para casais, é claro, para criar o guia definitivo da felicidade no casamento.

As perguntas mais importantes para você responder se quiser ter um casamento feliz são as que apresentaremos aqui, agora.

Se você estiver pronta, este guia será capaz de garantir o mais belo casamento da sua história: um casamento que será feliz para além do dia da cerimônia.

Sim, a felicidade no casamento começa antes da cerimônia.

Dolores Bordignon

Afinal, como você sabe se está se casando com a pessoa certa? Com o divórcio se aproximando de uma taxa de 40% dos casamentos, vale a pena refletir sobre seu futuro com um pouco de cuidado antes de dizer sim.

Claro que uma avaliação mais completa é difícil, porque é no cotidiano que enfrentamos os desafios juntos – e é através do tempo que conseguimos perceber direitinho com quem nos casamos.

Porém, há perguntas e respostas que entram e saem conosco das relações. Estas questões foram geradas através de intensa pesquisa com milhares de casais mundo afora e a coisa mais sábia a se fazer é apostar que sua relação possivelmente seguirá mais ou menos as mesmas diretrizes.

Para começar sua viagem rumo ao casamento feliz, coloque-se a seguinte questão:

Quais valores são mais importantes para você para prever o sucesso da sua relação?

Agora sim, vamos à lista das perguntas que se criam a partir disso.

Esta lista foi construída com base em dados de especialistas de diversas áreas e abrange os mais diversos temas, como finanças, sexo, conflitos e família (você encontrará as fontes ao longo do texto).

São perguntas-chave que tomarão pouco tempo agora, mas que garantirão décadas de um casamento feliz.

Vale a pena este pequeno tempo? SIM.

1 – Quem lavará a roupa?

Pode rir, mas a divisão das tarefas da casa é um dos temas que mais geram brigas ao longo dos anos. Quando os filhos surgem, então… O ideal é encontrar um equilíbrio natural entre as tarefas que você tem prazer e as tarefas que seu marido tem prazer. Talvez, você odeie lavar a louça, mas até goste de estender a roupa. Talvez, você odeie limpar a cozinha, mas gosta de cozinhar, certo? Porém, você está presumindo que seu parceiro fará aquilo que você não gosta?

Não presuma nada em um casamento duradouro. O fundamento aqui é transformar a expectativa em diálogo.

A divisão de tarefas em um casamento é percebida como um sinal de igualdade (especialmente pelas esposas em casamentos heterossexuais) e, se houver quebra deste contrato, principalmente quando ambos trabalham, a chance de divórcio aumenta – e muito.

2 – O quão importante é minha carreira?

Profissões diferentes têm demandas diferentes. Isso significa horários diferentes, dedicações diferentes, o que for. Sua carga de trabalho pode ser tranquila para uma pessoa solteira e sem filhos, mas como ficará seu emprego quando parte de sua vida for casa e filhos?

Conhecer o que seu marido entende por equilíbrio entre trabalho e família é crítico para prever o futuro de suas vidas juntos.

A qualidade da relação é inversamente proporcional ao conflito que envolve trabalho-família: casais tendem a ter casamentos mais felizes quando seus empregos não são percebidos como interferências nos assuntos de família. Mantenha em mente que o equilíbrio que funciona melhor para você não é, necessariamente, o melhor equilíbrio para outros casais. Foque no seu casamento.

3 – Se eu começar a cuidar da saúde, fazer dieta, praticar exercícios, o que você fará?

Para alguns casais, mudanças na dieta e na saúde são fontes de grandes tensões (e frustrações). Quando uma das pessoas adota um novo estilo de vida e o outro prossegue em seu estilo antigo, pode contar com o surgimento de conflitos.

Leve em consideração a flexibilidade de seu parceiro, seu comprometimento com a saúde e com o bem-estar.

Lembre-se que, em algum ponto da vida, você terá que cuidar do seu corpo e da sua mente: como seu parceiro responderá a isso? Se os objetivos estiverem desconectados em um assunto tão vital, conversem sobre como poderão lidar com estes desafios.

4 – Você conhece meus gatilhos e meus traumas?

Relacionamentos adultos de qualidade não são experiências individuais. Um dos mais importantes significados do casamento é a troca de histórias, medos e expectativas sobre a vida.

Se os parceiros conhecerem e respeitarem a sensibilidade do outro, eles estarão mais aptos a lidarem com situações perigosas.

Abusos sofridos no passado, quando disparados, podem gerar grandes questões emocionais e prejudicar a qualidade da relação se não forem levados a sério.

Desde já, perceba as piadinhas, o sarcasmo e o tom de seu parceiro sobre determinadas questões importantes para você. Imagine isso ao longo de muitas décadas. Seu marido precisa levar a sério as coisas que são sérias para você.

5 – Qual o papel do dinheiro na minha segurança emocional?

Contas a pagar e hábitos de consumo são os pontos-chave na hora de alinhar o significado do casamento para o casal. Compartilhar as mesmas ideias sobre como o dinheiro deve ser gasto é imprescindível. Considere também hábitos de economia, afinal, o futuro cedo ou tarde chegará.

Quanto você precisa ter investido para se sentir seguro em uma situação de emergência ou em longo prazo?

Se o casal estiver afinado nestas questões – ou ao menos souberem e concordarem com as intenções e valores do outro sobre dinheiro – muitas discussões sobre gastos desaparecerão.

Lembre-se que, neste caso, não se trata apenas de discussão: muitas famílias se veem em graves apuros reais por não respeitarem regras básicas de economia do lar.

Aliás, conflitos sobre dinheiro são a causa número um de divórcios no mundo – Brasil dentro.

6 – Quem de nós será o chefe da família?

Em uma análise sobre riscos de divórcio, a professora de Harvard, Alexandra Killewald, sugere que a igualdade de gêneros nos Estados Unidos não removeu a expectativa (em casais heterossexuais) do homem ser o chefe de família.

Pesquisas sobre o perigoso jogo de comparação entre os ganhos no casal mostram que tanto homens quanto mulheres sofrem quando seu modelo de casamento não está adequado às boas e velhas normas da sociedade – homens devem ganhar mais do que as mulheres.

Claro, isso foi uma pesquisa que apresentou apenas dados. Para alguns casais, a mulher ser o ganha-pão não representa problema algum. Mas, para outros, conversar sobre identidade, masculinidade, expectativas sobre renda e manutenção financeira pode ser muito importante.

7 – E se um de nós for demitido?

Ok, vocês estão contentes com o modelo financeiro da família e, de repente, demissão. O que acontece daqui para frente? Como fica a divisão dos filhos se a mulher assumir o comando? Não é algo que você consegue mapear com objetividade, mas você pode e deve sim sentir como seu marido se posiciona sobre isso.

Já trabalhamos com famílias que, mesmo após a demissão do marido, a esposa ficava “impedida” de trabalhar por causa das crianças. Já atendemos famílias em que a mulher não estava preparada para voltar ao mercado e o marido entrou em um processo de depressão devido à carga emocional jogada sobre ele. Esta flexibilidade, que atinge basicamente todas as áreas da vida em casal, precisa ser conhecida antes de dar o grande passo.

8 – O que vai mudar na minha vida depois do casamento?

Leve em conta o que você e seu parceiro querem para o futuro. A regra geral é que casamento não muda os valores de ninguém. Filhos, ir embora do país, da cidade ou trocar de carreira não podem ser presumidos como coisas certas, porque um parceiro influenciará o outro. Leve a sério as posições do seu marido quando o perguntar sobre questões cruciais para a vida dele (e para a sua).

Não entre em uma relação pensando em mudar o parceiro.

Se pudéssemos pegar as centenas de casais que atendemos ao longo destas décadas, é isso que diríamos para grande parte deles.

Não entre em uma relação pensando em mudar o parceiro. Por isso, conheça-o antes de dizer sim. O que nos leva à próxima questão:

9 – Estou esperando que algo mude no meu marido?

Seja honesta, porque quase todos caem nesta pergunta. Querer evoluir em conjunto é uma coisa, mas transformar o modo de ser, o tempo de fazer as coisas, a dinâmica da vida de alguém é o segredo para o fracasso.

São incontáveis as vezes que trabalhamos com casais prestes a se divorciar e ouvimos: “bem, ele sempre foi egoísta, mas eu esperava que isso fosse mudar após os filhos” ou “ele sempre foi irresponsável com dinheiro, mas pensei que a vida em família fosse ajudar nisso”.

Você está presumindo que seu parceiro magicamente mudará após uma grande experiência? Repense. Talvez, algumas coisas mudem sim, mas a motivação virá do outro, não de você ou de alguma situação – por mais significativa que seja. Se você optar por se casar com alguém, escolha esta pessoa por quem ela é e ponto final. Não se engane com condições que futuramente poderão melhorar.

Entre em contato

Conheça o nosso trabalho promovendo oficinas e palestras sobre casais e relacionamentos. Entre em contato com Dolores Bordignon para promover um evento em sua instituição.

10 – Quais diferenças eu amo hoje, mas que serão um problema daqui 5 anos?

A ironia da paixão é que ela tem a capacidade de aproximar as pessoas através de suas diferenças.

Talvez, a espontaneidade do outro seja linda hoje. Talvez, a capacidade dele de largar tudo que está fazendo para respirar um pouco pareça tão romântica. Mas, o que ocorre quando a espontaneidade começa a disparar falas que machucam ao longo dos anos? O que acontece quando seu marido não consegue se comprometer com tarefas básicas da família por excesso de pressão?

Bem, paixão acaba. Amor fica.

Sim, os opostos se atraem enquanto a relação é novidade. E claro, ser exposto a perspectivas diferentes pode ser enriquecedor. Mas, se estas diferenças se tornarem divergências – ou seja, se as diferenças começarem a comprometer a fluidez do cotidiano em família, você terá um grave problema. Um problema provavelmente incontornável: afinal, você sabia quem ele era antes de se casar.

11 – Como nós lidamos com o estresse individual e coletivo?

Como é seu marido (ou futuro marido) quando fica preso no engarrafamento? Quando recebe uma crítica do chefe? Quando não dormiu bem, quando recebe uma multa, quando tenta falar com o atendimento da empresa de telefonia…?

No início da relação, as pessoas tentam controlar seus comportamentos na frente do parceiro. Isso impede que vejamos de fato quem é o outro quando está sob pressão.

Décadas de casamento, em geral, significam muitas situações de pressão que precisam ser enfrentadas conjuntamente. Avalie como você e seu parceiro lidam com estes momentos… Se isolam? Explodem? Conseguem trabalhar juntos? Leve isso em conta, porque o futuro reservará diversos desafios para os dois.

12 – Qual é a relação do meu marido com drogas, álcool e jogos?

Qualquer tipo de vício pode surgir durante um casamento, mesmo aqueles que nem apareceram em nossas vidas até aqui. Mas, quase sempre, é possível detectar questões em potencial, que podem se tornar um problema futuro.

Nada nesta lista se trata de dispensar seu parceiro à toa, mas sim de avaliar a sua capacidade emocional de lidar com possíveis situações.

Vícios dificilmente surgem “do nada”. Existem diversos fatores no passado que ajudam a perceber tendências e avaliar dificuldades futuras. Pode ser excesso de bebida em festas ou drogas com amigos na adolescência – fator agravado com um comportamento de negação e rejeição de ajuda. Esta parte importa ainda mais: o quanto seu parceiro está aberto a reconhecer problemas e pegar sua mão para sair disso.

13 – O que pensamos sobre filhos (e o quão certos estamos sobre isso)?

Em teoria, parece óbvio que a discussão sobre filhos deva surgir antes do casamento. Contudo, isso nem sempre garante uma resposta satisfatória em longo prazo. A realidade muda. As contas chegam. Doenças aparecem. Outros planos se tornam prioritários.

Por isso, é importante saber não apenas as vontades iniciais, mas como também avaliar quanto espaço para mudança há aqui. 

Planos individuais e filhos: fator-chave para a felicidade conjugal.

Parece ótimo que ambos se imaginem como pais e uma criança no parque à tarde e fiquem felizes com isso. Mas, e se após o primeiro filho o outro decide que é o suficiente? E se houver problemas de infertilidade em jogo? O quão dispostos estão a lutar e a pagar por tratamentos? Como vocês se sentem sobre adoção? E se um dos dois quiser mais filhos? E se a mãe decidir que prefere parar de trabalhar para acompanhar as crianças de perto? Cave fundo nesta parte. Cave bem fundo.

14 – O quanto falamos sobre nosso casamento com os outros?

Em tempos de Facebook, essa questão é muito sensível. Poucos casais traçam os limites e as necessidades de exposição digital antes do casamento. No início da relação, a exposição pode até ser um ponto positivo, já que a aprovação dos amigos, família e colegas cria um círculo de proteção e força em torno dos dois.

Mas, depois do casamento, as expectativas mudam. Você se sentirá traída se seu marido conversar com uma amiga sobre seu corpo após o parto? Como você lidará com a intimidade do seu marido quando precisar “desabafar” e a mídia social aparecer na sua frente? Você aceita que seu marido busque a mãe para conversar sobre seu casamento?

Não existe uma resposta certa para isso. É algo totalmente dependente dos dois. O que importa aqui é estarem sempre em sintonia.

15 – Como lidamos com conflitos e o que faríamos para melhorar?

Anos de pesquisa e tratamentos de famílias nos mostram apenas uma verdade: conflitos surgirão. 

Como você lida com os conflitos é tão importante quanto os próprios conflitos.

Vocês já têm hábitos de discussão? Alguém costuma descarregar as dores do dia no outro? É sempre você que pede desculpas? Enquanto um sente necessidade de falar o outro gosta de ficar retraído? Ou ainda, enquanto um precisa descarregar o outro prefere refletir antes de conversar?

Conheça o segredo do casamento feliz: 
comunicação respeitosa, aberta e honesta. Sem jogos, sem ataques pessoais ou rompantes de poder. 

Lembre-se: comunicação não é mera fala. Comunicação, em um casamento, envolve o tempo do outro, a forma de falar, a capacidade de foco, de reflexão, os sentimentos, o contexto, tudo que estiver envolvido no processo.

Examine como você e seu futuro marido têm lidado com conflitos até aqui e você estará enxergando se seu casamento tem potencial para ser feliz.

16 – Ah, a relação com as famílias…

Qualquer terapeuta de casal te dirá o seguinte: sogros e sogras são a maior fonte de problemas dentro de um casamento. Você não precisa morrer de amores pelos pais de seu marido, e vice-versa (se você amar, maravilhoso!), mas você precisa sim garantir que seu casamento deixa todos os envolvidos em uma zona segura e confortável.

O que acontece se seu marido teve uma relação muito conflituosa com seus pais, mas você os adora? Ou, ao contrário, se ele quiser passar metade das férias enfurnado na casa dos irmãos? Qual papel seus sogros terão na vida dos seus filhos? Como vocês viverão quando os pais começarem a ter problemas de saúde e precisarem de cuidados especiais?

Aqui sim, o momento de planejar a cerimônia do casamento já te dará uma grande pista sobre tudo isso. Aproveite esta oportunidade para perceber o desenrolar das coisas.

17 – Quem precisa de mais tempo sozinho? Existe algum problema nisso?

Este não é um dos principais problemas para um casamento feliz, mas já foi causa para vários casais nos buscarem. Houve casos de maridos que passavam um turno inteiro do sábado jogando futebol com amigos ou de esposas que adoravam retiros com amigas, houve casos de maridos que trabalhavam em casa e precisavam de extremo silêncio para se concentrar, enfim.

Existem variados graus de tempo dedicado às coisas individuais que devem ser avaliados.

Em termos gerais, tudo pode ser adaptado ao longo do casamento, com comunicação, respeito e flexibilidade. Mas, se vocês nunca conversarem a respeito disso, cinco anos de casamento depois, lá estará o marido no futebol enquanto a esposa fica em casa sozinha e frustrada com as crianças. Por que isso aconteceu?

Porque ela presumiu que as coisas mudariam magicamente após o casamento.

18 – Eu me importo com a proximidade do meu marido com outras mulheres?

Determinados estilos de conversa, toque, sorrisos e comportamentos variam de pessoa para pessoa. Você se importaria se seu marido enviasse emoticons carinhosos para a colega de trabalho? Se mulheres comentassem como ele está lindo na nova foto de perfil? Você se magoaria se seu marido almoçasse com uma ex sem te falar?

Seu nível de tolerância ao comportamento do outro é algo seu e deve ser tratado sem julgamento algum.

Não se culpe por sentir ciúmes nesta hora. É melhor ver agora do que depois. Quanto mais você fingir que não se importa e que as coisas mudarão do dia para a noite, maiores serão as chances de você se sentir traída em um futuro breve. Note: de se sentir traída, não de ser traída.
Aliás…

20 – O que é infidelidade para mim?

Existem pessoas que consideram traição pegar o marido olhando vídeos pornô no computador. Existem pessoas que acham isso natural e nada mais. Cada um tem entendimentos diferentes sobre traição. Esclareça estes limites antes de se casar.

A questão da infidelidade é mais importante do que nunca. Atualmente, o termo “infidelidade emocional” veio à tona e gerou uma ótima reflexão sobre os limites da traição. O carinho e o apego de seu marido por outra mulher, mesmo que sem contato físico, seria um problema?

Provavelmente, sim. Mas, ele já sabe disso? Como vocês contornariam a situação? Estariam abertos a mexer nas causas desta busca externa? Você estaria disposta a reconquistar seu marido – e ele estaria disposto e lutar de forma digna por você?

21 – Como estão as coisas na cama?

Um dos nossos temas favoritos e mais temidos nas consultas. O sexo.

Se a causa número 1 do casamento feliz é estar de bem com as contas e as finanças, a causa número 2 do casamento feliz é o sexo.


Vocês estão de acordo com o desejo e as necessidades do outro? 

Sexo é uma área em que vale absolutamente tudo, desde que ambos concordem. Não existem regras na vida sexual de um casal. A quantidade de sexo (e a qualidade) está afinada? Quem geralmente inicia as brincadeiras? O outro não se importa de ser sempre o primeiro? Como vocês lidarão com conversas sobre o passado sexual de vocês?

Geralmente, no início do relacionamento, o sexo é tão bom, que os problemas desaparecem. Mas, você sabe que isso não durará para sempre. O casamento feliz consegue comunicar deficiências na cama, saudades, vontades e medos sem culpa alguma. A liberdade aqui é muito importante… E tudo isso nos leva de volta, é claro, ao…

Segredos do casamento feliz

Comunicação respeitosa, aberta e honesta. Sem jogos, sem ataques pessoais ou rompantes de poder. 

Lembre-se: comunicação, em um casamento, envolve o tempo do outro, a forma de falar, a capacidade de foco, de reflexão, os sentimentos, o contexto, tudo que estiver envolvido no processo.

E agora, estamos prontas para o casamento? 
Esperamos que sim!

Um grande abraço da psicopedagoga Dolores Bordignon

avatar

Dolores Bordignon

Terapeuta e Coach de casais

Dolores Bordignon tem mais de duas décadas de experiência clínica, somando centenas de casos individuais, de famílias e casais que desejam construir novos paradigmas. Suas palestras e workshops trazem à luz a importância da inteligência emocional para as relações pessoais, profissionais e familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *