skip to Main Content
Flávio Gikovate: “Temos De Conseguir Viver Em Paz”
(Sao Paulo,SP. .03.2008. h. Foto Eduardo Knapp/Folha Imagem) Digital SP01829 2008 Caderno Equilibrio. Foto do psicoterapeuta Flavio Gikovate, no quintal de seu consultorio na Rua Estados Unidos. Gikovate esta lancando livro sobre o tema AMOR

Flávio Gikovate: “Temos de conseguir viver em paz” Neste feriado de Finados, fica a reflexão do psiquiatra e psicoterapeuta Flávio Gikovate, extraída da obra da obra "Superdicas para viver bem e ser mais feliz"

Neste feriado de Finados, fica a reflexão do psiquiatra e psicoterapeuta Flávio Gikovate: “Conscientes da incerteza da nossa condição, só nos resta aprender a lidar com esse suspense permanente. Temos de conseguir viver em paz, apesar de sabermos que tudo pode terminar de uma hora para outra”. Leia abaixo o excerto da obra Superdicas para viver bem e ser mais feliz, de Flávio Gikovate:

Mais importante que a morte em si é o medo que ela provoca. A morte é uma transição, a passagem para um estado desconhecido cujas características todos saberemos oportunamente. O que tumultua, e, por vezes, perturba muito nossa vida é o medo que sentimos quando pensamos na morte. Podemos nos apavorar diante de qualquer pequeno mal-estar; isso se chama hipocondria.

O medo da morte começa a se manifestar muito cedo em nossas vidas. Aparece quando nos tornarmos conscientes de que a vida é finita – talvez, lá pelos seis ou sete anos de idade. A sensação é horrível porque acontece exatamente durante os funerais de pessoas próximas e queridas. Presenciamos a morte associada à dor daqueles que continuam por aqui.

A dor provocada pela morte de pessoas queridas é parecida com a das rupturas amorosas que mais tarde conheceremos tão bem. Passamos a temer nossa própria morte e também a dos que nos são caros. Conscientes da incerteza da nossa condição, só nos resta aprender a lidar com esse suspense permanente. Temos de conseguir viver em paz, apesar de sabermos que tudo pode terminar de uma hora para outra. Os que não conseguem passarão a vida aflitos.

Com o passar dos anos aceitamos com descrente docilidade a ideia da morte. Talvez por causa da sabedoria que acumulamos; ou, então, porque já provamos muitas coisas desta vida, de modo que partir não parece mais tão doloroso.

Talvez seja um mecanismo de adaptação à realidade, já que a velhice implica uma óbvia aproximação da morte. Penso que a grande sabedoria é saber-se mortal, aceitar isso como fato inexorável e nada dramático, além de viver o dia-a-dia como se fôssemos eternos. Não convém ficarmos nos preparando muito para enfrentarmos algo totalmente desconhecido. Cada coisa a seu tempo.

(Via Parana Online)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *