skip to Main Content
Estudo Global Coloca Estudantes Brasileiros Quase No Topo Da Ansiedade

Estudo global coloca estudantes brasileiros quase no topo da ansiedade Pisa entrevistou mais de 500 mil alunos de 15 anos para avaliar o bem-estar dos jovens.

O Brasil está quase no topo entre os países com estudantes mais ansiosos – 80,8% dos jovens ficam muito ansiosos mesmo quando estão bem preparados para provas. O dado faz parte do terceiro volume do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2015, dedicado ao bem-estar dos estudantes (clique aqui para ler na íntegra, em inglês).

Participaram dessa edição 540 mil estudantes de 15 anos, que representam 29 milhões de alunos de 72 países. São 35 países-membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e 37 economias parceiras, entre elas o Brasil.

Um dos números que mais chamaram a atenção no estudo sobre o bem-estar dos estudantes é como a escola ficou vinculada à sensação de estresse no Brasil. Oito em cada dez alunos brasileiros dizem sentir muita ansiedade para uma prova, mesmo quando se consideram bem preparados para ela, e 56% afirma que fica muito tenso quando estuda. Só a Costa Rica tem números mais altos nos dois quesitos. Em ambos os casos, os brasileiros estão muito acima da média da OCDE, de 55,5% de jovens ansiosos antes da prova e 36,6% de tensos durante o estudo.

“Esses resultados sugerem a necessidade de relações mais fortes entre escolas e pais para que os adolescentes tenham o apoio de que necessitam, acadêmica e psicologicamente. Essa aproximação poderia contribuir muito para o bem-estar de todos os alunos”, diz o relatório.

Pais e professores

O levantamento mostrou que pais e professores têm papel importante no bem-estar dos estudantes. Estudantes que têm pais interessados nas atividades escolares são 2,5 vezes mais propensos a estar entre as notas mais altas da escola e 1,9 vezes a estar muito satisfeitos com a vida. Com o apoio dos pais e responsáveis, os estudantes também têm duas vezes menos chance de se sentir sozinhos na escola e são 3,4 vezes menos propensos a estar insatisfeitos com a vida.

A participação dos professores também é importante. Estudantes que recebem apoio e suporte dos professores em sala de aula são 1,9 vezes mais propensos a sentir que pertencem à escola do que aqueles que não têm esse apoio. Aqueles que percebem que os professores são injustos com eles têm 1,8 vezes mais chance de se sentir excluídos na escola.

De acordo com o relatório, grande parte dos estudantes tem a sensação de que é injustiçada pelos professores. Em média, nos países da OCDE, 35% dos alunos relataram que sentem, pelo menos algumas vezes por mês, que seus professores pedem menos deles que dos outros estudantes; 21% acham que seus professores os julgam menos inteligentes do que são; 10% relataram que os professores os ridicularizam na frente dos outros; e 9%, que seus professores chegaram a insultá-los na frente dos demais.

Bem-estar dos estudantes

Esta é a primeira vez que o Pisa divulga dados da performance dos estudantes que dizem respeito à relação deles com os professores, à vida em casa e a como gastam o tempo fora da escola. Aplicado pela OCDE, o Pisa testa os conhecimentos de matemática, leitura e ciências de estudantes de 15 anos de idade. Em 2015, o foco foi em ciências, que concentrou o maior número de questões da avaliação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *