skip to Main Content
Do Namoro Ao Casamento: Que Caminho Percorrer?

Do namoro ao casamento: que caminho percorrer?

O namoro é o primeiro degrau de uma relação duradoura e é isso que torna essa fase tão importante e mágica.

Mas, por mais gostoso que seja, o namoro pode ser fonte de um grave problema fundamental: quando você começa a namorar, é comum que a excitação com a nova relação te faça fugir da realidade e te motive a viver em um mundo cor de rosa e perfeito.

Isso pode ser um problema por um único motivo: para um relacionamento dar certo de verdade, não existe outra receita que não conhecer a si mesmo e conhecer o outro.

Relacionamentos: a mais difícil e importante jornada da vida

No começo de um relacionamento, queremos a todo custo agradar o parceiro, porque a meta é que a relação dê certo.

Mas, como uma relação pode funcionar se você não está agindo de maneira sincera com o seu parceiro ou com você mesma? Quanto tempo você conseguirá vestir um personagem e abrir mão de ser você mesma?

Por quanto tempo você levará isso adiante caso surja um casamento, filhos e anos de desafios conjunto?

Não falo apenas de esconder quem você é, mas também de abafar necessidades pessoais ou até mesmo de mentir para si mesma sobre coisas que possam te machucar eventualmente.  

Conflitos têm um propósito e, se você os evitar, nunca aprenderá a superá-los. Sua relação girará em torno das questões não resolvidas até que você dialogue com o conflito e aprenda a dominá-lo.

Entre em contato

Dolores Bordignon ministra dezenas de oficinas e palestras sobre casais e relacionamentos. Entre em contato com a psicopedagoga e promova um evento em sua instituição. Transforme a vida das pessoas.

E para que servem os conflitos? Servem para conhecer o que incomoda e para descobrir o que mais importa em uma relação: a capacidade do casal de resolver os desafios juntos.

Ainda, é no encontro com o conflito que você aprenderá a forma mais eficiente e inteligente de expor o que está sentindo e aprenderá a conversar sobre aquilo que te incomoda.

Como você dominará este fundamento da relação duradoura se você ocultou quem você era de verdade ou se você evitou confrontos?

Diferenças ou brigas? 

É muito comum que as pessoas confundam conflitos destrutivos com diferenças construtivas.

Isso ocorre não porque a natureza da diferença seja ruim, mas porque temos uma deficiência grave na sabedoria relacional.

Não sabemos lidar com a diferença e, pior ainda, não sabemos crescer com ela.

Já ouvi de um grande mestre budista que o caminho mais rápido para a iluminação era a relação.

Este ensinamento foi definidor no meu caminho, porque compreendi que os relacionamentos são as mais eficientes ferramentas para aprendermos absolutamente tudo que a vida tem para ensinar.

O relacionamento incomoda porque ele nos coloca em um ambiente em que o aprendizado é inescapável. É a chamada prisão relacional, como alguns definem.

Esta suposta prisão é nossa vontade de escapar não do outro, mas sim dos difíceis aprendizados que precisamos para viver – seja viver esta relação ou qualquer outro desafio da nossa jornada pessoal e profissional.

Por isso, sou apaixonada por relacionamentos: eles são a ferramenta mais poderosa para a sabedoria de vida.

Você e seu parceiro conseguem enxergar sua relação desta forma?

Se conseguirem ver este grande sentido do casamento, vocês terão as chaves para o relacionamento mais pleno que alguém pode viver.

Terapeuta comportamental e especialista em terapia de casais, Vânia Calazans diz que o segredo para manter um relacionamento saudável está na aceitação e na harmonização das diferenças entre duas pessoas.

Ou seja, vocês não podem querer mudar o outro conforme desejarem. Vocês precisam dialogar para chegar a um consenso. Devem encontrar um denominador comum para que consigam conviver até mesmo com aquilo que, a princípio, incomoda no comportamento do outro.

Ainda, segundo Calazans, outro fator importante para que um namoro funcione está na capacidade de compreender que brigas acontecerão sim durante o caminho. Ela afirma que muitos casais se afastam e deixam de dialogar para evitar embates.

Não deixe de ler: Guia Definitivo do Casamento Feliz

Como saber se o namoro se transformará em casamento?

Boa parte dos namoros não chegará ao casamento, é claro. Por isso, sempre que uma pessoa inicia um relacionamento – ou mesmo após o termino de uma relação – questionamentos devem surgir para tentar investigar o que te traz felicidade e o que você precisa aprender.

O que faz um namoro se transformar em casamento e por que alguns terminam? A relação entre duas pessoas não é uma ciência exata. Por isso, não há como prever se uma relação será ou não duradoura.

O que sabemos é que, para que uma relação se transforme em um casamento feliz, é importante que haja respeito entre os envolvidos, além de confiança e transparência.

Um levantamento feito com 500 casais norte-americanos, revelou que 52% dos casais felizes apontaram a confiança mútua como o principal fator para a harmonia conjugal.

Já os 58% dos divorciados entrevistados apontaram a falta de comunicação como motivo maior para o desgaste e para o fim da relação.

Ou seja, para que o seu relacionamento seja duradouro, feliz e se transforme em um casamento saudável, o diálogo é a chave.

Além disso, seu relacionamento precisará passar por diversos estágios até chegar ao amadurecimento.

Pequenas chateações e sentimentos nocivos, como o ciúme e o desejo de posse sobre o outro, precisam ser tratados e eliminados do cotidiano.

Uma dica é observar friamente seu namoro, como se você fosse uma terceira pessoa. Analise o quanto vocês são cúmplices e amigos de fato.

Um namoro só conseguirá subir os degraus que levam à felicidade matrimonial quando a palavra-chave que define o casal for cumplicidade.

O namoro perfeito é sinônimo de casamento feliz?

Não necessariamente. A convivência diária e íntima que um casamento exige de duas pessoas pode ser fatal até mesmo para aqueles casais que, enquanto namorados, mantinham um relacionamento digno de comercial de margarina.

Por que a rotina pode matar a relação? Pela tal da prisão relacional que mencionei acima.

Em um casamento, quando há discussões ou problemas quaisquer, não há a possibilidade de cada um ir para sua casa para “esfriar” a cabeça. Não tem como deixar para depois ou evitar os olhares e o contato com o outro.

É preciso ser maduro para cruzar situações que, muitas vezes, nos deixam expostos, sensíveis e inseguros.

É preciso ser maduro o suficiente para enxergar a relação como o caminho para a sabedoria da vida – e estar pronto para abraçar sua história como um caminho de evolução pessoal e coletiva.

Ambos devem ser capazes de enxergar o relacionamento desta forma.

Antes de você dar o próximo passo na relação, observe se vocês conseguem seguir o mesmo caminho em busca da felicidade e das conquistas individuais e do casal.

Outro ponto que precisamos expor aqui é a desmistificação do conto de fadas. Passamos boa parte da infância ouvindo e lendo histórias que nos mostram o amor perfeito e o final feliz.

É preciso ter em mente que não existe relacionamento perfeito, porque o ser humano é feito de falhas e peculiaridades. São esses defeitos que nos tornam indivíduos únicos e precisamos deixar de vê-los como algo ruim.

Novamente, você estará pronta para uma relação duradoura quando conseguir enxergar o defeito do outro (e o seu) como uma porta para os desafios que deve enfrentar na sua evolução.

Isso não significa aceitar os defeitos do outro, mas sim dominar ferramentas capazes de dissolver ou de contornar estas questões. São estas habilidades que te darão o sabor de um sucesso tão grande quanto de qualquer outra imensa conquista pessoal – mas, desta vez, será uma vitória ainda maior, porque será coletiva.

Lembre-se: quanto mais comunicação existir dentro de um namoro, mais arestas serão podadas, mais sementes da confiança serão plantadas e o fruto colhido será um amor sólido, transparente e duradouro.

avatar

Dolores Bordignon

Terapeuta e Coach de casais

Dolores Bordignon tem mais de duas décadas de experiência clínica, somando centenas de casos individuais, de famílias e casais que desejam construir novos paradigmas. Suas palestras e workshops trazem à luz a importância da inteligência emocional para as relações pessoais, profissionais e familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *