skip to Main Content
Deprimido Com O Fim Das Férias?

Deprimido com o fim das férias? Mais de cinco milhões de brasileiros sofrem de depressão pós-férias. O que fazer para eliminar ou reduzir este transtorno?

O período de férias, para muitos, é precedido por uma pilha de trabalho a ser adiantado e seguido por outra pilha a ser enfrentada na volta. Assim, cerca de 40% das pessoas já saem de férias pensando no estressante retorno.

A grande maioria sente algum desconforto psíquico, físico e oscilação cognitiva nessa retomada. Nestes casos, os sintomas são transitórios (de 2 a 10 dias de evolução) e de leve intensidade, não necessitando intervenção.

Agora, 23% da população pode apresentar sintomas mais intensos e arrastados (acima de 2 semanas) com impacto evidente na qualidade de vida e do rendimento profissional, escolar ou social, configurando uma situação mais preocupante.

Estamos falando de mais de cinco milhões de brasileiros em risco de quadros depressivos, fenômenos ansiosos, distúrbios de sono, sintomatologia clínica como dores de cabeça, tensão muscular, alterações gastrointestinais, além do risco de abuso de substâncias, como álcool e medicamentos. São mais de cinco milhões de brasileiros sofrendo de síndrome pós-férias.

A chamada síndrome pós-férias é um conjunto de sinais e sintomas que podem acompanhar esse período de readaptação do relógio biológico e de reajuste do ritmo de vida.

Em termos gerais, as mulheres são mais lesadas pelo estresse pós-férias, porque costumam se ver submergidas de imediato num sem número de tarefas domésticas associadas ao regresso ao lar, com uma grande quantidade de roupa para lavar e arrumar, compras para fazer, refeições para preparar e, em simultâneo, todas as obrigações associadas ao retorno ao emprego.

Não são só os adultos que sofrem. Os filhos também são afetados pelo fim das férias. Depois de um período de relaxamento, os mais novos podem se sentir cansados, mal-humorados e com dificuldade de se levantar cedo. O apetite diminui e a memória pode tornar-se mais lenta.

Estresse ou insatisfação?

Mesmo que os filhos demorem a se adaptar, a esfera onde a síndrome pós-férias se costuma refletir mais é a laboral. Mas, quando o estresse é muito intenso e prolongado, pode ser um indicador de descontentamento com relação ao local de trabalho e, em alguns casos, à própria profissão, obrigando um balanço sério de vida.

Segundo um estudo da Isma Brasil, esta profunda insatisfação profissional está presente em 93% dos que sofrem da síndrome pós-férias. Descontentamento este que nasce de situações estressantes no ambiente de trabalho, como a falta de perspectivas de ascensão profissional ou conflitos frequentes com colegas.

O que fazer para administrar o problema?

Existem dois caminhos básicos que podem ser seguidos por quem sofre desse tipo de síndrome.

O primeiro é resignar-se, dentro dos limites que cada uma estabelece para si, e se adaptar às dificuldades no ambiente de trabalho compensando a frustração com alguma outra atividade, como trabalho voluntário ou hobby.

Já o segundo, mais radical, é buscar um novo emprego. Também dá para minimizar o impacto da depressão retomando uma rotina semelhante à do trabalho três dias antes do fim das férias. Voltar de viagem no mínimo dois dias antes do retorno ao serviço também é válido, asseguram os especialistas.

Confira outras dicas para evitar ou reduzir a síndrome pós-férias:

– Defina etapas 

Não precisa fazer tudo ao mesmo tempo assim que chegar em casa. Divida as tarefas domésticas pelos dias da semana e trate primeiro do que é realmente urgente. Ir ao supermercado provavelmente será prioritário, mas lavar cinco máquinas de roupa consecutivamente não.

– Faça refeições com sabor de férias

Houve algum prato novo que experimentou durante as férias e do qual gostou particularmente? Procure a receita num livro de culinária ou na internet e prepare-o com sua família.

– Compartilhe histórias

Durante o jantar, reserve dez minutos para conversar sobre as férias, pedindo que cada um conte as melhores recordações que tem. A comunicação e a partilha reduzem os níveis de estresse.

– Reúna-se com amigos

Convide familiares e amigos para sua casa e vejam juntos um slide show com as fotografias das férias.

– Faça caminhadas regulares

O estresse e a ansiedade podem ser atenuados com um simples passeio ao fim da tarde ou depois do jantar. Contemple sua cidade, seu bairro, converse com vizinhos e pessoas na rua. Faça o esforço de lembrar e registrar que seu cotidiano também merece aplausos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *