skip to Main Content
Crenças Limitadoras: O Que São E Como Superá-las

Crenças limitadoras: o que são e como superá-las Talvez, mudar a si mesmo pareça impossível agora, mas é sempre hora de se observar de forma justa.

Ao longo das nossas vidas, todos nós vamos adquirindo crenças. Crenças nem sempre são boas. Muitas vezes, elas nos impedem de arriscar, superar e obter grandes resultados. As crenças são geradas pelas nossas vivências desde o momento em que nascemos. Durante nossa infância e nossa juventude, somos basicamente “fruto” do meio em que estamos inseridos, da educação dos nossos pais, professores, da influência dos nossos amigos, familiares e até mesmo da comunicação social.

Se nossas experiências foram positivas, se nos sentimos amados e acolhidos, nossas crenças serão de conforto e segurança, mas, quando nossas experiências forem negativas (e todos teremos alguma experiência ou alguma percepção negativa na infância), podemos adquirir crenças que nos limitarão no futuro.

Existem dois importantes tipos de crenças que terão um grande impacto nas possibilidades da nossa vida: As Crenças Facilitadoras e as Crenças Limitadoras.

Crenças Facilitadoras – São crenças que nos ajudam a alcançar os nossos objetivos, que impulsionam o nosso sucesso pessoal e profissional. “Eu acredito no meu potencial.”; “Eu acredito que sou capaz.”; “Eu acredito que tenho uma grande resistência”.

Crenças Limitadoras – São crenças que diminuem as possibilidades, as capacidades, o poder de transformação e o crescimento. São crenças que lhe impedem de obter melhores resultados e alcançar as suas metas. “Eu não consigo”, “Eu não mereço”, “Isso só acontece comigo”.

Conheça as crenças limitadoras que influenciam de forma negativa os seus resultados.

1. Você pode acreditar que os resultados negativos são causados por fatores externos. Por exemplo, “A causa de eu me sentir deprimido é o meu trabalho.” Ou seja, você atribui um significado negativo às suas experiências e dá valor excessivo ao que não pode controlar, o mundo. Assim, dá pouco valor ao que pode controlar, você mesmo. Em vez de começar uma nova carreira e de aprender que a responsabilidade por sua felicidade profissional está nas suas mãos, você poderá ficar no emprego que lhe causa infelicidade para reforçar a crença original, de que são os outros que lhe fazem infeliz.

2. Você pode acreditar que possui traços de identidade que o impossibilitam de alcançar resultados positivos, tais como o medo, a timidez e a insegurança. Por exemplo, “Eu não mereço ser feliz”. Ou seja, você atribui um significado negativo a si mesmo, o único agente capaz de transformar este quadro. Da mesma forma, dá pouco valor a si mesmo. Mesmo que novas possibilidades se abram em sua vida, sua crença sobre si poderá impedi-lo de enxergar os aspectos positivos das situações.

Em ambos os casos, é necessária uma observação realista e distante das experiências. Dissocie-se de si mesmo e analise seu contexto como se observasse a vida de outra pessoa. Esteja atento a cada passo, emoção e conclusão. Deixe que as emoções venham, mas não deixe que elas definam o que ocorre. Em vez de “eu não consigo”, perceba como “frente a este desafio, surge um temor de fracasso em mim”.

A partir desta dissociação, surge espaço para construir autoconhecimento. Aqui, começa uma nova jornada, aquela em que você poderá testar atitudes com o grande intuito de se observar agindo. Arrisque novas experiências pelo sabor de se enxergar em diferentes alternativas. Quanto mais arriscamos, mais ampliamos nossas crenças e mais somos capazes de ver como podemos sentir e ter diferentes reações em diferentes momentos da vida.

E nunca esqueça: o sucesso é um longo processo. É preciso errar muito para poder acertar. Se você desistir no primeiro ou segundo fracasso, concluirá que não consegue ser bem-sucedido. Isso não é algo seu, é de todos nós. Siga em frente até acertar e conclua a verdade: você é capaz de tudo se arriscar e persistir mesmo frente ao medo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *