skip to Main Content
Aprenda A Gerir A Felicidade

Aprenda a gerir a felicidade Sentir-se bem momentaneamente é fácil, mas para manter o bem-estar é preciso promover a resiliência.

Se quer preservar a sensação de bem-estar que a felicidade oferece, é preciso estimular a resiliência, capacidade essencial para cruzar situações desagradáveis que muito provavelmente irão acontecer. Não se trata de reprimir as emoções negativas, mas de aprender a tirar partido das capacidades de adaptação do cérebro frente aos desafios, para concretizar o seu potencial. Eis dois caminhos que ajudarão a ser bem-sucedido nessa missão:

1º passo: Conhece a ti mesmo

Tente ser o mais honesto possível e escreva as respostas que encontrar para as seguintes perguntas-chave:

– O que me faz realmente feliz?

– O que posso mudar no meu comportamento que me ajude a ter uma vida mais equilibrada?

– Quais foram os momentos mais felizes da minha vida?

– Sou capaz de ser feliz sem compartilhar a felicidade que sinto?

– Que momentos de felicidade desperdicei e me arrependi?

2º passo: Passe à prática

Agora que já percebeu o que o torna feliz, aprenda a fortalecer este estado emocional mesmo nos momentos de contrariedade. Tal Ben-Sahar, professor de psicologia positiva em Harvard, sintetiza as estratégias da felicidade que ensina aos seus alunos da seguinte forma:

– Não rejeite as emoções

Rejeitarmos as nossas emoções, sejam elas positivas ou negativas, conduz-nos à frustração. É exatamente quando concedemos autorização a nós mesmos para sermos humanos e vivenciarmos emoções dolorosas que temos maior probabilidade de estarmos abertos e viver emoções positivas.

– Conjugue propósito e prazer

Seja no trabalho ou em casa, envolva-se em atividades que tenham significado e que, simultaneamente, lhe concedam prazer, nem que seja apenas algumas vezes por semana. Os estudos demonstram que uma hora ou duas de experiências de prazer e significado pessoal podem afetar a qualidade de um dia ou até de uma semana.

– Reaprenda a ler a realidade

À exceção de circunstâncias extremas, o nosso nível de bem-estar é determinado pelos aspectos nos quais focamos e pela nossa interpretação dos acontecimentos. Por exemplo, você encara os fracassos como algo catastrófico ou como uma oportunidade de aprendizagem?

– Simplifique e diga não

A quantidade influencia a qualidade e comprometemos a nossa felicidade ao tentarmos fazer coisas demais. Saber dizer não aos outros (e a si mesmo) muitas vezes significa dizermos sim à qualidade de vida.

– Respeite a ligação mente/corpo

Aquilo que fazemos ou que não fazemos com o nosso corpo influencia a nossa mente diretamente. Experimente uma semana com caminhadas ao sol, 8h de sono e uma alimentação  repleta de folhas verdades, legumes, frutas e água. Perceba como apenas uma semana tem grande influência no seu estado físico/mental.

– Cultive a gratidão

Exprima gratidão sempre que possível. Embora os estudos científicos tenham já demonstrado que a gratidão contribui para a nossa longevidade, muitas vezes nos esquecemos de agradecer o que de positivo nos acontece, encarando as coisas boas “como um direito adquirido”. Aprenda a apreciar e a saborear as coisas simples e fantásticas do dia-a-dia, sejam as pessoas, a natureza, a comida ou um simples sorriso. E agradeça sempre.

Aprenda a desenvolver estas e muitas outras estratégias de autoconhecimento, autogerenciamento e manutenção da qualidade emocional com Dolores Bordignon e o Menthes que, a partir do Método Augusto Cury, promove a inteligência emocional nos alunos, melhorando relações pessoais, profissionais, capacidade de liderança e resiliência. 

Em Porto Alegre, a Menthes fica na R. Felipe de Oliveira, 1397, e oferece aulas experimentais gratuitas, todas as quintas, às 18h30, para quem quiser conhecer o Método Cury. Para participar é só ligar para a Menthes POA e confirmar presença: (51) 3024.3088.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *