skip to Main Content
Afeto, Sexo E As 10 Necessidades Emocionais

Afeto, sexo e as 10 necessidades emocionais

Todos temos necessidades emocionais, você sabe disso. O que talvez você não saiba é que nossas 10 necessidades emocionais são muito parecidas com as chamadas 6 necessidades humanas, descritas pelo coach e palestrante norte-americano Anthony Robbins. 

As seis necessidades de Robbins são:

  • Certeza e conforto
  • Variedade
  • Significado
  • Amor ou conexão
  • Contribuição
  • Crescimento

Quando nossas necessidades humanas são atendidas, sentimos uma profunda felicidade e conexão com o outro.

Quando nosso companheiro é capaz de atender tanto as necessidades emocionais quanto as humanas, bem, laços eternos se fundamentam.

Há seis necessidades humanas e há seis pilares em um casamento feliz. O número, é claro, se repete. Os seis pilares são a base do casamento pleno, repleto de amor e romantismo. Cada uma das partes da pirâmide fundamenta a de cima.

Sem esta fundação, todas as outras práticas e estratégias para melhoria até podem ajudar, mas as conquistas não são solidificadas – tudo pode mudar a qualquer momento.

Vamos dar uma olhada na pirâmide que representa estes pilares do casamento feliz e analisar cada uma das etapas?

No livro “Ela precisa, ele deseja”, o Dr. Willard Harley examina cuidadosamente as 10 necessidades emocionais. Este trabalho divisor de águas teve um grande impacto em milhões de casamentos pelo mundo.

Para colocar seu ensinamento de forma simples, seus muitos anos de pesquisas revelam que o romance e o amor são nada mais do que associações construídas, que estão baseadas em reações e gatilhos.

O que isso significa?

Em um experimento em laboratório, isso poderia ser demonstrado da seguinte forma: dar um choque violento em alguém enquanto a pessoa estava observando a foto de uma cidade e fazer uma massagem enquanto alguém observa fotos de uma montanha. Após várias repetições, a pessoa se sentiria mal ao ver fotos de cidades e feliz ao ver montanhas.

Como isso está relacionado a casamentos?

Quando suas necessidades emocionais são atendidas por uma determinada pessoa, você a sente como se estivesse vendo a montanha, feliz e reconfortada ao lado da pessoa. Quando essa pessoa segue atendendo suas necessidades, você vai desenvolvendo amor e romance. Seu parceiro, então, está acionando reações dentro de você, reações de amor.

Quando seu parceiro para de atender suas necessidades de uma forma que lhe machuque, é claro, você desenvolverá uma resposta oposta, uma reação à dor gerada por seu parceiro.

Muitos casais desenvolvem sentimentos de amor e romance enquanto namoram. Você e seu parceiro provavelmente faziam muitas coisas boas juntos, conversavam e compartilhavam experiências íntimas.

Os sentimentos positivos foram sendo impressos em você e em seu companheiro sob a forma de amor. Então, vocês se casaram. Foi bom por um tempo.

No entanto, algumas coisas foram mudando. A vida começou a ficar em primeiro lugar e o romance foi se perdendo. O trabalho foi separando vocês dois. As crianças criaram mudanças gigantescas no tempo e no orçamento familiar.

Vocês foram amadurecendo e envelhecendo. Suas necessidades humanas e emocionais foram mudando. Agora, porém, pode haver pouco romance e muita frustração.

A solução para este quadro é incrivelmente simples:

Vocês precisam identificar as necessidades emocionais de ambos e voltarem a se comprometer em atender o outro com relação a estas necessidades.

Quando cada um de vocês começar a atender as necessidades capazes de desenvolver amor, isso de forma cotidiana e contínua, os sentimentos de frustração serão substituídos por romance novamente.

Quando você enxergar seu parceiro, você se sentirá na montanha novamente. Segura e feliz.

Banco do amor

Você deve estar se perguntando por que estas necessidades emocionais são tão importantes. Muitos especialistas em casamento se referem a um conceito do Dr. Willard Harley, que é o chamado Banco do Amor.

John Gottman tem um conceito muito similar, chamado de Mapa do Amor. Dr. Gary Chapman chama de Tanque do Amor. Dr. John Gray e Mark Gungor utilizam estes conceitos em todos os seus trabalhos. Ou seja, há ampla base de pesquisa por trás destas premissas sobre como funciona a felicidade no casamento.

De forma simples, o Banco do Amor se refere aos depósitos e saques de unidades de amor, interações amorosas que temos com nosso parceiro.

Quando alguém faz algo que gera apreciação, unidades de amor são depositadas no banco. Quando alguém gera ansiedade, braveza ou frustração, unidades de amor são retiradas. Estas unidades não são matemáticas, obviamente. Elas são relativas a como a pessoa se sente perante o ato.

Quando você começou a namorar seu companheiro, os encontros que lhe deixavam flutuando nas nuvens eram resultado de unidades de amor sendo depositadas no Banco. Quanto mais seu parceiro lhe ajudasse a sentir amor, apreciação, admiração, respeito etc mais unidades eram depositadas.

Quando seu companheiro esquecia de um encontro, dissesse algo ruim ou sem consideração, capaz de gerar insegurança ou tristeza, unidades eram retiradas.

As unidades de amor depositadas ou sacadas representam a capacidade do seu parceiro atender suas necessidades emocionais (o mesmo vale para você).

Quando o Banco do Amor fica no limite ou até mesmo com saldo negativo, tendemos a buscar maneiras de recuperar o saldo. É algo natural do ser humano buscar se sentir feliz. Por isso, passamos a prestar atenção em outras pessoas, capazes de nos trazer felicidade e prazer.

É aqui que os casos amorosos, as traições, começam.

Aumente os depósitos no seu Banco do Amor, investindo onde há grande significado para o outro e para você. Estes depósitos terão ainda mais valor.

Para fazê-lo, você terá que conhecer e compreender as necessidades emocionais do companheiro – e dominar estratégias para preencher estas necessidades dentro de você e de seu marido.

Teste das necessidades emocionais

Leia abaixo as 10 necessidades emocionais. Encoraje seu marido a fazer o mesmo individualmente. 

Escolha 5 das 10 e atribua pontos de importância para cada uma delas. Comprometa-se com seu marido a sentarem juntos e escreverem de 25 a 50 atitudes que poderão fazer pelos próximos meses para atender as mais importantes necessidades de cada um. 

Comprometa-se com esta lista. Ela resgatará seu casamento e trará felicidade pessoal e conjugal de uma forma incomparável.

As 10 necessidades emocionais

Há 10 necessidades emocionais nos seres humanos. Algumas são estereotipadamente associadas às mulheres e algumas aos homens. Não importa com qual você se identifique. O que importa é que você analise quais ajudam você a se sentir uma pessoa amada.

Enquanto discutimos necessidade por necessidade para colaborar na sua autoanalise, apontarei com qual gênero ela é tipicamente associada. Mas, utilize isso apenas como referência, não há certo ou errado aqui.

  1. Afeto
  2. Satisfação Sexual
  3. Diálogos Íntimos 
  4. Companhia Recreacional
  5. Honestidade e Abertura
  6. Atração Física
  7. Apoio Financeiro
  8. Apoio Doméstico
  9. Comprometimento Familiar
  10. Admiração

1. Afeto

Afeto são expressões que manifestam carinho, cuidado e atenção. Quando seu parceiro demonstra afeto por você, você sente que ele se importa com você. Você se sente segura. Você se sente reconfortada.

No livro “Ela precisa, ele deseja”, o Dr. Willard Harley explica: 

“Para a maior parte das mulheres, afeto simboliza segurança, proteção, conforto e aprovação. Estes são valores vitais para as mulheres. Quando o marido demonstra afeto, ele envia as seguintes mensagens:

  • Você significa muito para mim.
  • Não quero que nada de mal aconteça a você.
  • Estou preocupado com os problemas que você enfrenta e lhe ajudarei a superá-los.

Os homens precisam entender o quanto as mulheres precisam destas demonstrações e afirmações.”

Muitos homens tentam mostrar afeto através do sexo. Não. Sexo é sexo. Afeto não é sexual. Qualquer abraço, beijo ou contato físico que seja sexual por natureza ou que tenha como objetivo levar ao sexo não é afeto.

Afeto está intimamente ligado ao conceito de 5 Linguagens do Amor, popularizado pelo Dr. Gary Chapman. Quando você demonstra amor para o seu parceiro na linguagem que ele sabe ou prefere ouvir, você está demonstrando afeto.

Se seu parceiro precisa de afeto, seja ele homem ou mulher, o que você pode fazer para promover segurança e conforto de uma forma não sexual? Reflita sobre isso.

2. Satisfação Sexual

Em termos muito gerais, o sexo como necessidade emocional está mais associado aos homens. Muitos homens se sentem traídos em um casamento quando sua esposa não sente vontade de fazer sexo com eles.

Para um homem, sexo é quase tão importante quanto o ar que respiram. Sem sexo, o homem não se sentirá amado. Quando ele não se sente amado, ele pode agir de incontáveis formas ruins.

Muitos homens não entendem a relação entre afeto e sexo. Eles querem sexo, mas esquecem de dar afeto às mulheres antes. Sexo e afeto estão altamente interligados.

Quando um homem dá afeto à sua esposa, é muito mais provável que ela sinta desejo verdadeiro de fazer sexo, compreende?

Se algum dos dois tem fantasias sexuais, por exemplo, isso é um bom indicador de que o sexo é um ponto-chave na lista de necessidades emocionais.

Quando sexo é uma necessidade emocional, é muito positivo que ambos se esforcem para aprender a arte do sexo. Sexo monótono ou por obrigação será ainda mais terrível neste caso.

Inverta as posições e observe: se você gosta de receber flores, é como se seu marido pegasse as flores e as jogasse na mesa, dizendo “tome estas porcarias de flores”. Isso não é exatamente afetuoso, concorda?

Da mesma forma, se você entra no sexo pela obrigação, o parceiro sentirá isso e não receberá o amor que ele poderia estar recebendo através do sexo.

Se um homem quer mais sexo, ele precisa dar mais afeto para a mulher. Da mesma forma, quando uma mulher tem uma grande necessidade de sexo, ela também quer fazer seu marido feliz. A participação plena de ambos, a presença completa dos parceiros no ato do amor é essencial.

3. Diálogos Íntimos

Diálogos íntimos são o próximo passo além das conversas cotidianas. A conversa íntima é pessoal. Ela revela sentimentos, preocupações, carinho e é, geralmente, emocional. O diálogo íntimo geralmente começa na fase dos encontros e para de acontecer após o casamento.

A maioria das mulheres não apenas deseja este tipo de conversa intensamente, mas como também precisam disso. Homens tendem a não precisar tanto deste fator, tampouco gostar desse tipo de engajamento depois do casamento.

Diálogos íntimos não ocorrem enquanto a televisão está ligada, a tela do celular chama a atenção etc. A conversa íntima é um tempo dedicado a isso exclusivamente e tem o único propósito de falar sobre medos, sonhos e objetivos pessoais.

Dr. Harley recomenda 15h de diálogos íntimos por semana. Mesmo que isso pareça difícil, é uma maneira simples e sensata de desenvolver um casamento feliz.

Se você está familiarizada com o conceito de Banco do Amor, sabe que diálogos são formas ótimas de depositar unidades de amor em seu banco. Homens precisam entender isso e desenvolver capacidades de diálogo.

Quem sente grande necessidade deste aspecto, provavelmente se apaixonará por pessoas capazes de preencher este espaço. Mais ainda, eles continuarão apaixonados pela pessoa enquanto ela mantiver esta capacidade e atenção.

4. Companhia Recreacional

É muito divertido compartilhar atividades recreativas com seu parceiro., Muitos homens gostarão de praticar esportes e outras aventuras com sua esposa. Na fase inicial dos encontros, os dois se esforçam muito em praticar coisas juntos, gostando ou não das atividades importantes para o outro.

Uma vez casados, porém, tudo tende a mudar. As pessoas passam a fazer atividades que apenas elas gostam, frequentemente deixando o parceiro sozinho em seus prazeres ou apenas com seus amigos. Esta cisão é uma prática perigosa.

Coaches de relacionamentos frequentemente ouvem de um parceiro que o outro mudou. Ouvimos que, antes do casamento, eles costumavam fazer muitas coisas juntos – mas agora não mais.

Atividades recreacionais estão geralmente ligadas aos homens. É realmente um bônus quando a esposa participa destas atividades e apoia o marido ao lado dele. Mulheres, é claro, também adoram este tipo de diversão e sentem muito prazer quando os maridos as acompanham.

Quando o casal para de fazer coisas juntos, eles estão tomando decisões conscientes de não apoiar o parceiro. Isso é uma decisão ruim.

A companhia recreacional é muito poderosa, porque combina duas necessidades emocionais em uma só: tempo juntos e companhia.

A resposta para consertar este dilema precisa de trabalho e comprometimento. Você precisa descobrir as atividades recreacionais que ambos gostam de fazer juntos.

Sim, isso significa que um ou até mesmo os dois precisarão sacrificar alguma atividade que goste muito em nome de atividades do casal.

Esta é uma decisão que você está tomando em nome da melhoria da relação. Talvez, você precise tentar diversas atividades antes de encontrar algo que ambos gostem.

O resultado é que você e seu parceiro passarão mais tempo qualitativo juntos. Será, também, tempo de conversar, compartilhar experiências e aproveitar a vida juntos.

Entre em contato

Dolores Bordignon ministra dezenas de oficinas e palestras sobre casais e relacionamentos. Entre em contato com a psicopedagoga e promova um evento em sua instituição. Transforme a vida das pessoas.

5. Honestidade e Abertura

Honestidade e abertura são a origem do sentimento de segurança. Quando o parceiro compartilha seus pensamentos mais íntimos, tornando-se vulnerável ao outro, ele dá o mais precioso dos presentes.

Não é surpreendente que as mulheres tendam a ser mais honestas e abertas do que os homens. Se você se sente especialmente amada quando seu parceiro compartilha sua alma com você, você tem esta necessidade emocional.

De forma simples, não pode haver segredos entre você e seu parceiro. Todas as vezes que encontro casais falando de privacidade e necessidade de ter seu próprio espaço, eu sei que o casamento está em perigo.

Eles estão tentando esconder algo do passado, do presente ou do futuro. Estes segredos geram abismos entre os dois. Como uma pessoa pode verdadeiramente acreditar no outro quando há muros de segredos entre os dois?

Dr. Harley sugere uma política de honestidade radical. Isso inclui:

Honestidade Emocional: revele seus pensamentos, sentimentos,gostos e desgostos, principalmente sobre questões que lhe machucam.

Honestidade Histórica: revele tudo sobre seu passado,especialmente no que toca suas fraquezas e fracassos.

Honestidade Presente: revele informações sobre seu dia, suaagenda, suas atividade, especialmente aquelas que precisarão do seu parceiro dealguma forma.

Honestidade Futura: revele detalhes sobre suas metas e sonhos.

Este grau de honestidade é raríssimo nas relações atuais. Quando nos apaixonamos por alguém, mostramos apenas nossa melhor face. Isso está ok na fase inicial, mas, ao longo dos anos ou décadas, você não pode seguir enganando seu parceiro.

Se você casou com uma pessoa e ainda tem segredos que você não quer que ele saiba, agora é a hora de sentar e expor estas informações com carinho e abertura.

Ao esconder quem você é ou deseja, isso gerará insegurança, incerteza e dúvida. Estes elementos inevitavelmente criam muros entre as pessoas ao longo do tempo. A honestidade radical é a única solução, diz Harley.

6. Atração Física

Sabemos que homens são mais visuais do que as mulheres. Sim, isso significa que homens tendem a precisar estar por perto de esposas que pareçam belas aos seus olhos.

Sim, isso não é politicamente correto. Homens não deveriam se sentir desta forma, você pode pensar. Pode ser. Mas, aqui, o pé no chão sobre a realidade é um bom passo para compreender o ser humano. Como você vai agir frente a isso é uma decisão sua e apenas sua.

É algo para que as mulheres se questionem e respondam de forma honesta: quando você começou a namorar seu marido, você ia de pijama?

Você também não gostava quando ele fazia a barba, se perfumava para você? Você não se sentia especial de estar ao lado de um homem tão bonito?

É crucial que salientemos um senso comum muito verdadeiro: beleza é subjetiva e está nos olhos de quem vê. Você precisa saber os atributos físicos importantes para você e para seu parceiro. Não existe uma beleza universal. Não falamos de padrões intangíveis, mas sim de cuidados e carinho consigo mesma.

O mesmo serve para o outro lado: se você ficar escrava da beleza, a chance de você se tornar uma pessoa amarga e infeliz é grande. Isso também não é belo.

Beleza é justamente este processo de amor próprio, que observa diversas áreas das nossas vidas.

Peso, higiene, roupas, um sorriso verdadeiro no rosto. Tudo isso está dentro da ideia de beleza e de saúde em geral. Quando você está construindo o melhor que pode de você mesma, seu parceiro sentirá você como um grande presente. Se você precisa que seu parceiro melhore estes aspectos, você deve sim ser honesta (saiba como abordar isso, por favor).

Nada mais fundamental em uma relação do que o casal ser unido na construção, na evolução pessoal. Quando ambos se unem nestes fatores, a relação se torna imbatível.

Pense em reunir necessidades emocionais anteriores, como praticar esportes juntos, voltar à época dos encontros, se arrumarem e se cuidarem para si mesmos e para o outro. Façam disso momentos de diversão e aprendam a estimular o outro pelo seu melhor.

7. Apoio Financeiro

O que você espera financeiramente do seu parceiro? Você tem planos que dependam do salário do seu marido ou que exijam que ele ganhe mais? Você espera que seu marido trabalhe e você fique cuidando da casa?

Todas estas expectativas devem ser compartilhadas com seu marido. Não é surpreendente que mulheres tenham uma grande necessidade de apoio financeiro.

Sim, as mulheres nunca foram tão independentes quanto hoje. A própria ideia de necessidade do homem é questionável. Muitas mulheres ganham mais do que seus maridos. Mas, mesmo nestes casos, é preciso se questionar sobre planos futuros.

Se vocês pretendem ter filhos, as expectativas financeiras sobre o marido aumentarão. Você sabe disso. Muitas das tarefas, ao menos na fase inicial do bebê, ficarão com a mãe, isso é natural. Como seu marido agirá? Qual será a participação dele?

Ou até mesmo se você pretende mudar de carreira ou estudar: você não conseguirá abraçar o mundo da mesma forma: casa, filhos, trabalho, grandes salários. Qual será a participação dele neste momento?

É importante que você discuta isso o quanto antes com seu parceiro. Problemas financeiros podem ser o mais grave fator definidor para o divórcio porque, como vimos, eles não são apenas financeiros: a falta de parceria nesta área pode ser um obstáculo real para os seus planos e até para o bem-estar dos filhos.

8. Apoio Doméstico

Dr. Harley coloca de uma ótima maneira: “A necessidade de apoio doméstico é uma bomba relógio.”

Houve um tempo em que era esperado que o homem ganhasse muito dinheiro e que a mulher cuidasse da casa. É hora de dar adeus a este tempo. Muitas mulheres trabalham em turno integral e ainda precisam assumir a maioria dos cuidados com os filhos. Mesmo assim, ainda existem muitos homens querendo voltar do trabalho e chegar em casa para relaxar e comer um bom jantar. Desculpem, isso não existe mais.

Quando filhos chegam, então, a necessidade de divisão doméstica aumenta ainda mais. O fato é que não vivemos mais nos anos 1950 e a cooperação é simplesmente obrigatória.

Dr. Harley indica questões práticas que sim, ajudam muito a conquistar este objetivo:

Identifique todas as responsabilidades domésticas. Os parceiros precisam dividir de forma clara as tarefas e cumprirem com o combinado entre os dois.

Cada parceiro deve ser responsável por uma determinada tarefa. Comece a lista por aquelas que ambos preferem fazer.

Pegue as tarefas restantes, que ninguém gosta, e decidam se contratarão ajuda ou dividam conforme puderem entre vocês. Deixe claro dias ehorários para que as coisas sejam feitas.

Se possível, façam tarefas juntos. Mesmo que isso signifique que ambos levantar]ao da cadeira ao mesmo tempo para começarem a cuidar de suas tarefas individuais. A sensação de cuidarem juntos do lar pode ser gratificante.

Esteja pronta para ajudar o parceiro em suas tarefas (e pedir ajuda). Algumas são complicadas demais para uma única pessoa. Faça isso de coração aberto e deposite, assim, mais unidades de amor no banco.

9. Comprometimento Familiar

Comprometimento familiar é a participação ativa na educação dos filhos. É o comprometimento com as necessidades emocionais e morais de cada membro. É compreender que cada um tem seu papel e que um desequilíbrio nestas funções prejudicará todos os envolvidos.

– Façam refeições juntos
– Façam atividades voluntárias juntos
– Brinquem, joguem, se divirtam
– Leiam para os filhos
– Aprendam sobre orçamento familiar
– Planejem viagens e aventuras
– Pratiquem esportes juntos

Ter filhos envolve muito conhecimento, estratégias e comprometimento. Horários precisam ser ajustados. Rotinas precisam ser estabelecidas e mantidas em nome do bem comum.

É possível que os pais precisem de treinamento para esta árdua missão – para transformar dificuldades em desafios recompensadores. As principais lições destes treinamentos, que envolvem métodos e atividades práticas, serão:

– Aprender a entrar em acordo com o cônjuge. Os dois precisam estar sempre afinados quando falamos de crianças.

– Aprender a explicar regras para crianças. Os filhos não podem ter um adulto preferido na casa.

– Aprender a ser consistente. Não deixar que o humor do dia interfira nas regras e na permissividade. Isso pode colocar um adulto contra o outro. As crianças aprenderão a manipular os adultos se sentirem que momentos de vulnerabilidade podem mudar respostas e resultados.

– Aprender a mostrar consequências de forma justa. Deixar de ensinar um filho sobre consequências de atitudes incorretas é uma das mais efetivas formas de criar um jovem desorientado. Ao mesmo tempo, o exagero na punição é extremamente destrutivo.

– Aprender a lidar com suas frustrações. Nunca puna uma criança quando está se sentindo brava ou impaciente. Aprender a reconhecer sentimentos e a controlá-los é essencial quando há crianças em jogo. Eles não entendem a complexidade dos adultos e acabam internalizando reações impulsivas como verdades sobre os sentimentos dos pais com relação a eles.

10. Admiração

Palavras gentis e reconhecimento pelos esforços individuais depositam grandes unidades de amor no Banco. Seres humanos precisam ser admirados. O mesmo vale para o contrário: palavras duras, críticas e julgamento retiram muito do banco.

Homens são frequentemente educados a conquistar e alcançar sucesso. Homens gostam de ouvir que estão se saindo bem em suas metas. Mesmo quando são tempos de dificuldade, uma palavra de apoio pode ter imenso significado no casamento. Quando um homem ouve algo positivo sobre a confiança de sua esposa em sua capacidade, o amor se expande.

Dr. Gottman fala sobre os 4 cavaleiros do apocalipse do casamento. São quatro atitudes que podem destruir a relação e levar ao divórcio. Uma delas é a crítica.

Falamos aqui sobre a importância da honestidade e só podemos esperar que você saiba diferenciar alertas de crítica alheia. Muitas pessoas confundem alertas e críticas. Isso, é claro, leva ao distanciamento e à recusa do diálogo.

Alerta é quando você aponta uma questão de forma objetiva e afastada, que não reduz o outro: “amor, você esqueceu de retirar o lixo”. “Amor, tenho sentido falta de um abraço”.

Críticas são pessoais. Elas tocam no que o outro é. “Como você é preguiçoso e descompromissado. O lixo ainda está em casa, você nunca tira”. “Você só pensa em você. Nunca retribui o carinho e a dedicação que tenho”.

Com relação às 5 Linguagens do Amor, a necessidade de admiração é similar às chamadas “Palavras de Afirmação”. Palavras gentis curam.

Ok, quando seu parceiro lhe magoa, parece que está certo usar palavras duras. Nada pode ser mais longe da verdade. Palavras duras removem o amor do banco e colocam o casamento em risco.

A gentileza é um dos fundamentos do casamento. Ela abraça, ela compreende e, mesmo assim, não passa a mão na cabeça. Este é o poder da gentileza: ela consegue transformar com carinho e amor.

avatar

Dolores Bordignon

Terapeuta e Coach de casais

Dolores Bordignon tem mais de duas décadas de experiência clínica, somando centenas de casos individuais, de famílias e casais que desejam construir novos paradigmas. Suas palestras e workshops trazem à luz a importância da inteligência emocional para as relações pessoais, profissionais e familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *